quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Meu pai e a rivalidade Brasil vs Argentina

Na próxima segunda-feira meu pai completaria 63 anos de vida e o Argentina vs Brasil de hoje me fez lembrar do último superclássico que assistimos juntos, em 2009, também válido pelas Eliminatórias. Eu estava em Urânia para um feriado e foi uma das poucas vezes que vi meu pai vibrar de verdade com a seleção brasileira.

Meu pai sempre teve uma relação de amor e ódio com a seleção. Amor nos 30 segundos vibrando com os gols, ódio em todos os outros momentos. Sabem como é o futebol. E naquele jogo de 2009 era impossível não odiar a seleção: Julio César; Maicon, Lúcio, Luisão e André Santos; Gilberto Silva, Felipe Melo, Elano e Kaká; Robinho e Luis Fabiano; treinador era o Dunga. PQP! Para pensar o quanto esse time era detestável, tirando os insípidos Luisão e Gilberto Silva, os outros jogadores eu odeio até hoje (tenho certeza que meu pai ainda odiaria todos).

Resumindo o clima do jogo de 2009, se o Brasil vencesse estaria classificado pra Copa de 2010 e a Argentina ficaria em situação complicada, quase fora. O jogo não seria no Monumental de Nuñez, seria em Rosario, estádio menor, torcida próxima do campo pra criar mais pressão, aquela velha história da catimba argentina.

Quando o jogo começou, em 30 minutos estava 2x0 pro Brasil. Tranquilos, nem lembrávamos do ódio em nossos corações. E aí a Argentina começou a pressionar muito, catimbando, Maradona de treinador sendo filmado de 5 em 5 minutos, torcida não parava de apoiar, todo aquele cenário de um time desesperado tentando
 a virada. No começo do segundo tempo os argentinos fizeram um gol, golaço, petardo de fora da área e o estádio praticamente veio abaixo. Uma loucura nas arquibancadas. 2x1.

Nos olhamos como quem diz “agora ferrou”. E o ódio voltou: “esse Dunga é retranqueiro”, “Brasil jogando como time pequeno”, “agora a Argentina vai massacrar” e alguns xingamentos. Mas aí, em menos de 5 minutos, o porra do Kaká (um dos jogadores mais odiados de todos os tempos) meteu uma bola em profundidade, daquelas impossíveis, nas costas do zagueiro, pro Luis Fabiano (outro que detestamos ad eternum) ganhar na velocidade e encobrir o goleiro. Quando a bola saiu dos pés do Kaká a gente já sabia. Levantamos do sofá, naquela expectativa típica, e o toque magistral do Luis Fabiano nos fez explodir em gritos, gestos e risadas. Golaço-aço-aço! Brasil classificado.

A vibração daquele gol demorou mais que os 30 segundos habituais e se tornou ainda mais especial depois de agosto de 2011. :(


clique no play pra ver o golaço

Tibagi e Miltinho - O Relógio (porque não paras relógio / detém o tempo eu te peço)

domingo, 16 de agosto de 2015

Quatro Invernos

Contando os agostos, insensível ao frio e buscando paisagens para fotos incompreensíveis.

Em um rosto de rugas aos vento, meus olhos miram montanhas nuas, céu azul e sol forte, sem lágrimas.

Como um rio em estiagem, perdido entre a amargura da terra seca e a solidez da recordação de águas fartas.

Como a margem de um rio permanece, as rugas jamais desaparecem.

A saudade é o alimento da memória.
♪♫ The Staves - Motherlode

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Urânia na Copa, parte 1 de 2.

(1 ano! saudade, copa!)

como sou um tanto quanto retardado quando o assunto é futebol, me senti na obrigação moral de assistir in loco ao menos uma partida da COPA DAS COPAS. no final das contas, assisti dois jogos: holanda vs austrália e rússia vs argélia.

parte 1: holanda versus austrália (porto alegre, 18 de junho de 2014)

a primeira experiência na COPA foi em porto alegre diante de holandeses vs australianos. confesso que estava tomado pela ansiedade. conheço vários jogadores holandeses históricos e realmente vejo em ROBIN VAN PERSIE o melhor centroavante desde que ronaldo fenômeno passou dos 85kg.

antes da partida, já em terras gaúchas, acolhi em meu peito uma grata surpresa: a doentia alegria dos torcedores que viajam para ver COPAS. holandeses, australianos e adoradores do futebol em geral entram apenas em TRANSE no antes, durante e depois do jogo. é lindo de se ver a paixão pelo futebol, o amor pela maior invenção do homem.

antes do jogo, na companhia do inestimável anfitrião Toninho, fui ao centro histórico de porto alegre (mercado público/largo glênio peres) conferir de perto a fantástica ORANGE SQUARE para caminhar junto ao comboio de holandeses (com muitos australianos e alguns brasileiros) bebendo e pulando atrás de um trio elétrico com músicas holandesas por 4km até o Gigante da Beira-Rio (o jornal gaúcho zero hora fez uma boa matéria explicando a orange square, com várias fotos e vídeos. para ler, só clicar aqui).


     
  
clima de carnaval ludopédico!

até o álcool fazer efeito eu apenas sorria. depois comecei a interagir e já perto do estádio saltava ao som de KEDENG KEDENG, a canção que aparenta ser um clássico holandês, tamanha euforia do uníssono (obviamente perguntamos como escrever kedeng).

como gosto de futebol mais que o normal, conheço jogadores holandeses do time atual e das clássicas seleções de 74, 78 e 88 e, COMO NÃO PODERIA SER DIFERENTE, desenhei um campo de futebol numa camiseta laranja com a seleção holandesa de todos os tempos e fui efusivamente saudado por vários neerlandeses trôpegos.

como de curioso todo mundo tem um pouco, conversamos com alguns europeus e a imensa maioria já esteve em outras copas. a frequência entre frança-98 e brasil-14 é de PRATICAMENTE 100%, sendo que alguns evitaram a aventura africana de 2010. incrível! invejei bonito.

na chegada ao estádio, a multidão se dispersou, cada um pra sua bilheteria. toninho tinha que trabalhar, nos encontraríamos após às 18h. então fui procurar mais entretenimento nos stands dos patrocinadores antes de procurar meu lugar pra ver o jogo. CLIMA DE COPA, meus amigos.


quando entrei no estádio, lindíssimo, já estava pirando por ter a chance de ver, além de van persie, o monstro arjen robben, mas aí a austrália resolveu jogar bem e tornou a partida um PANDEMÔNIO de gols e grandes jogadas.


 

na primeira metade da etapa inicial, robben provou diante de meus olhos porque é um dos jogadores mais caros do mundo. saiu correndo do meio-campo, driblou uns quatro caras e fez um golaço-aço-aço pra inaugurar o placar. a numerosa torcida australiana apenas MURCHOU por completo.

porém, 1 minuto depois, a vingança veio a galope e explodiu o estádio num dos três gols mais bonitos da copa, o sem-pulo acachapante do atacante australiano TIM CAHILL. o cara não acerta outro chute daquele nem na próxima encarnação. apenas agradeci apontando pro céu por presenciar tal momento. de verdade, eu fiz isso. teve australiano perto de mim que chorou.

o grande momento do esporte
o segundo tempo começou com a austrália virando o jogo, de penalti. os australianos pareciam VIVER UM SONHO. surpresa total, quem acreditaria que a austrália poderia vencer a então vice-campeã mundial que havia destruído a espanha por 5x1 poucos dias antes?

mas o sonho soccero (apelido da seleção australiana) durou cerca de cinco minutos. a fera letal, o monstro sagrado robin van persie – que estava apagado – recebeu livre dentro da área e fuzilou. gol de típico de CENTROAVANTE MATADOR. recebeu, preparou, chutou. golaço! jogo frenético, emocionante, público e jogadores ensandecidos.

aí, dez minutos depois do empate o goleiro australiano ENTREGOU O OURO em chute fácil de memphis depay. a holanda havia normalizado o placar. e a partir daí dominou, com alguns poucos lampejos dos socceros.

no pós-jogo houve tempo para a multidão que saiu do beira rio invadir a FIFA FAN FEST e assistir a vitória do chile sobre a espanha. outra experiência fabulosa. com milhares de australianos, holandeses e sulamericanos em geral visitando porto alegre, a diversão não tinha hora pra terminar.

todos, eu disse todos, foram ao centro boêmio de porto alegre, na famosa esquina da república com lima e silva, conhecida como CIDADE BAIXA. o carnaval ludopédido continuava, com direito a fanfarra holandesa tocando beatles no meio da rua. apenas inesquecível.


carnaval ludopédico na cidade baixa
obs: outros detalhes da partida no Globo Esporte

♪♫ OOOOEEEEEAAAAAA ♪♫