terça-feira, 15 de março de 2011

Meu dia de Luis Chevrolet Pereira

Acabo de encontrar o twitter do Luis Pereira, o saudoso Chevrolet, maior zagueiro da história do Palmeiras. Mais um fake na internet ou não, lembrei de um episódio curioso dos tempos que treinava no juvenil do Atlético-PR.

Logo no primeiro treino, o técnico (um ex-jogador do Atlético-PR que infelizmente não lembro o nome) olhou pro zagueiro magrelão de 1,90m e perguntou quais eram minhas características de jogo e em qual zagueiro eu me espelhava. Sem pestanejar, lembrei de Luis Pereira: "Eu jogo duro mas não gosto de dar pontapé. Gosto de sair jogando sem chutão e subir pro ataque às vezes." Lembro perfeitamente da resposta seca: "O Chevrolet, né? Jogou muito."

Dias depois, num jogo treino contra o Tubarão/SC fui o dono da camisa 3 e, no começo da partida, subi com a bola dominada até o meio-campo e lancei pro ponta-direita. Foi bonito. Lógico que, alguns minutos depois, estricnado de empolgação, tentei uma jogada parecida, mas o lançamento foi bizarro. E no começo do segundo tempo fiz umas firulas e avancei, mas perdi a bola e no contra-ataque o adversário quase marcou um gol.

Vi que o nosso técnico gesticulava em minha direção tresloucadamente. Não conseguia ouvir e me aproximei pra saber qual a orientação: "vtnc, marcelo! baralho! vc não é o Luis Pereira, poha!"

Perco o amigo, o técnico, a carreira como jogador, mas não perco a palestrinidade.

Let's Rock! >>> Marcos Kleine - Hino do Palmeiras

3 comentários:

Marcelo Urânia disse...

Muito legal, Marcelo!
.
Quando garoto, jogando bola com os amigos, eu fingia ser Jorge Mendonça (meu primeiro ídolo, na minha opinião o maior depois de Ademir da Guia), Toninho Catarinense, Jorginho Putinatti, Baroninho, Carlos Alberto Seixas... hehehe.
.
Luis Pereira... dá até urticária em ver os zagueiros atuais, kkkkk.
.
Abraços,
Toninho Garcia (ONG Pró-Palmeiras)

Marcelo Urânia disse...

Sensacional, claro que não em um nivel Quase profissional como você, mas já tive meus dias de Luis Pereira e também de Vagner Bacharel, um de meus idolos

Walpoggio (ONG Pró-Palmeiras)

Marcelo Urânia disse...

Boa, Marcelo!

Luis Pereira é um Deus para mim. O cara que, em 81, preferiu vir para ajudar aquele Verdão desastroso à ficar no Flamengo e faturar um Mundial. e que, nos 4 anos seguintes, já veterano, foi de uma regularidade total, tecnica, raça e liderança em um só.

Morava em Rio Claro, nunca vinha a jogos do Palmeiras. Nunca vi o Luisão no estadio. até o dia em que, em 1991, na terceira divisão do Paulista, o Velo Clube de Rio Claro enfrentaria o São Caetano, que tinha Luis Pereira (tambem tinha Ataliba e Chulapa, e o uniforme era vermelho, guardem isso). Não pestanejei e fui ver o jogo.

Estadio lotado, valendo acesso à segundona, a torcida ensandecida (velista é foda, estou falando sério) e eu acompanhei o jogo focado no Luisão. Eta jogador bom.

E saquei uma genialidade no homem: toda hora tinha algum atacante do Velo indo correr atras de um lançamento, ou tentando uma jogada. E o jogo inteiro a cena mais comum era o Luis Pereira dando aquela corrida, mas já reduzindo a velocidade, só protegendo a bola, esperando ela sair de campo ou ser pega pelo goleiro. O homem nao corria, só trotava protegendo e tocava a bola.

Então acho que, da mesma forma que Romario é genio em se posicionar sempre livre, Luisão era genio em sempre proteger a defesa só com seu posicionamento. Dois genios com a mesma virtude, porem usados de forma antagônica.

Foi bom demais ver o Luisao jogar.

Abraços a todos,
Marcos Simonetti (ONG Pró-Palmeiras)