quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Arte e terapia

"a única diferença entre fazer arte (meu blog é arte?) e fazer terapia é que se eu deixo de escrever num dia eu não preciso pagar a sessão."

texto e imagem do filme brasileiro "Apenas o Fim".

Let's Rock! >>> Los Hermanos - Pois é

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

No meu endereço rola cheiro de relva

Tô numa vibe caipira de dar gosto. É a saudade de Urânia que sempre bate forte nesta época do ano. Meu espírito natalino posso chamar de espírito caipira, porque eu tenho absoluta consciência de (versos de Dino Franco & Mouraí) como é bonito estender-se no verão e sentir o cheiro de relva que traz do campo a brisa mansa que nos faz criança.

É ouvindo versos dessa grandeza que meus olhos enchem d'água. A pura classe de uma moda de viola traduz meu lirismo e dá uma vontade absurda de chegar em Urânia, onde (dizaí Cézar & Paulinho) não tem rua asfaltada, não tem farol de parada nem tão pouco contra mão. E é a lua branca o farol da avenida, clareando a estrada batida que existe no meu sertão - e olha que lá tem rua asfaltada desde antes de'u nascer.

Urânia, tô indo, falta pouco.

Obs: meu tio e grande poeta do interior paulista, Zé Ferreira de Urânia, deveria compor um HINO, uma ODE à Urânia. Fica aqui a sugestão/provocação.

Let's Rock! >>> Cézar & Paulinho - Meu Endereço / Dino Franco & Mouraí - Cheiro de Relva

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Diante de Paul McCartney/Macca Experience

Não há o quê dizer sobre letras, ritmos ou execução das músicas dos Beatles. Tudo já foi esmiuçado, milhares de vezes. O testemunho aqui é de foro íntimo.

A imersão na beatlemania é como prestar culto a uma divindade. Os vídeos antigos dão o tom, mas compartilhar tamanha gratidão e encantamento nos enleva a um sentimento à revelia do entendimento lógico, conceitual, racional. Se um show ao vivo, qualquer que seja, já é por si só transcendental. Agora, imagine - citação voluntária, Lennon é peça fundamental - um show de Paul McCartney.

O ex-beatle - totalmente ciente do mito e gênio que se transformou - catalisa a devoção de sessenta e tantas mil pessoas com absoluta leveza. E impressiona na capacidade de trabalhar o fanatismo para o próprio bem-estar. Macca aparenta estar em paz, feliz e realizado por seu valor histórico.

E eu (nós) também.

Thanks, Macca.

Let's Rock! >>> Paul McCartney - (top 5 em negrito) "Venus and Mars/Rock Show", "Jet", "All My Loving", "Letting Go", "Drive My Car", "Highway", "Let Me Roll It/Foxy Lady (Jimi Hendrix cover)", "The Long and Winding Road", "Nineteen Hundred and Eighty-Five", "Let 'Em In", "My Love", "I've Just Seen A Face", "And I Love Her", "Blackbird", "Here Today", "Dance Tonight", "Mrs Vandebilt", "Eleanor Rigby", "Something", "Sing the Changes", "Band on the Run", "Ob-La-Di, Ob-La-Da", "Back in the U.S.S.R.", "I've Got a Feeling", "Paperback Writer", "A Day in the Life/Give Peace a Chance", "Let It Be", "Live and Let Die", "Hey Jude", (primeiro bis) "Day Tripper", "Lady Madonna", "Get Back", (segundo bis) "Yesterday", "Helter Skelter", "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" e "The End".

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Da TV para Interlagos, part 4: partiu!

Amanhã bem cedo estarei em Interlagos, o templo do automobilismo brasileiro, para ver a Fórmula 1. No mínimo 20 anos com esse desejo em mente. Agora é a hora!

Defina fe-li-ci-da-de.


Let's Rock! >>> Tom Zé - Interlagos F1

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Da TV para Interlagos, part 3: as Lotus de Emerson Fittipaldi

Ontem Emerson Fittipaldi pilotou o lendário Lotus 72 pelas ruas de São Paulo e, no domingo - para deleite total deste que vos escreve -, volta a acelerá-lo antes do GP Brasil para comemorar os 40 anos de sua primeira vitória na F-1.

O quê pouca gente sabe é que o modelo da primeira vitória de Emerson é o Lotus 72C (patrocínio Gold Leaf) e o carro que está no Brasil é o Lotus 72D (patrocínio John Player Special) que o brasileiro usou na conquista do primeiro título mundial em 1972.

(Veja bem, não estou reclamando. É espetacular que um carro tão importante para o automobilismo brasileiro esteja em ótimas condições e, principalmente, diante dos meus olhos. Mas ler em todos os sites esportivos uma meia-verdade me incomoda um pouco, ainda mais sabendo que os carros, apesar de modelos similares, possuem uma pintura totalmente diferente.)

P
ara
explicar direito, segue um parágrafo de história:

Em 1970, ano de estréia de Emerson na F1, o brasileiro pilotava o modelo secundário da equipe Lotus, o belo 49C, enquanto o piloto principal, o austríaco Jochen Rindt, guiava o modelo 72C - ambos com patrocínio vermelho e amarelo-ouro, da Gold Leaf. E Rindt venceu cinco etapas do campeonato para despontar como favorito ao título de 1970. Porém, uma tragédia muda a história do automobilismo brasileiro. Eis que nos treinos livres para o GP da Itália, na veloz pista de Monza, a Lotus coloca o jovem Fittipaldi para amaciar o motor do modelo 72C de Jochen Rindt. Correndo sem asas traseiras, Emerson perdeu o ponto de freada e bateu, danificando o bólido do companheiro por completo. Ao voltar aos boxes e informar o quê tinha acontecido a Colin Chapman (dono da equipe), este resolve dar o carro que pertencia a Fittipaldi para Rindt correr no dia seguinte. E nos treinos do outro dia... Rindt sofreu forte acidente na curva Parabolica - suspeita-se de problemas nos freios - e é encaminhado ao hospital, mas morre no caminho. A equipe Lotus, de luto, não disputa o GP da Itália e não envia seus carros para o GP do Canadá. E a partir do GP dos EUA, em Watkins Glen, Emerson Fittipaldi é o escolhido de Colin Chapman para assumir o cockpit do Lotus 72C de Jochen Rindt e liderar a equipe contra a pressão das Ferrari de Jacky Ickx e Clay Regazzoni na disputa pelo título. Emerson apenas vence a prova e assegura o único título póstumo da história da F1 para o ex-companheiro Jochen Rindt. No ano seguinte, somente a partir da terceira etapa a Lotus disponibiliza a Emerson o modelo 72D, mas ainda nas cores da Gold Leaf. Somente em 1972, ano do primeiro título, o Lotus 72D de Fittipaldi está preto nas cores da John Player Special. Só pra constar, Emerson ainda pilotou para a Lotus nos modelos 56B (uma corrida em 1971) e 72E (a partir da quarta etapa de 1973), antes de se transferir para McLaren.

1970: primeira vitória com o Lotus 72C, pintura vermelha Gold Leaf.

1972: primeiro título com o Lotus 72D, pintura preta John Player Special.

alguns momentos da primeira vitória brasileira na F1.

Lets Rock! >>> Rubens & The Barrichellos - Parabolica

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Da TV para Interlagos, part 2: Donnington Park 93

É a maior primeira volta brasileira de todos os tempos. Todo mundo lembra de Ayrton Senna, mas Rubens Barrichello não foi menos genial que o tricampeão. Enfileirados debaixo de um aguaceiro sem fim, Senna e seu McLaren ocupavam o quarto posto enquanto Rubens colocava seu Jordan no 12º lugar em sua terceira corrida na categoria.

Após a largada, Senna caiu para quinto e começou a ultrapassar um a um, até assumir a liderança antes da primeira volta, absolutamente genial e assustador. E Barrichello cruzou a primeira volta em quarto!

Abaixo, um relato incrível do Fantástico sobre a corrida.



Let's Rock! >>> The Dictators - (I Live For) Cars & Girls

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Da TV para Interlagos, part 1: a primeira lembrança.

A lembrança mais antiga da minha vida é o fdp do Alain Prost levantando a placa de campeão no Japão em 1989 - ou talvez quando meu primo de Itajobi caiu do muro na casa da minha vó em Aspásia, mas não sei bem quando foi. A data que o mundo me ajuda a lembrar é daquele francês do nariz torto erguendo a placa. Eu tinha seis anos à época e estava à frente da TV na madrugada torcendo pelo Senna.

É praticamente impossível que eu tivesse real noção da história polêmica que decidiu o título a favor de Prost, mas aquilo de alguma forma me deixou puto e foi marcante a ponto de me lembrar até hoje daquela TV Semp Toshiba com os botões ao lado direito da tela e essa maldita imagem:

durante muito tempo achei que essa imagem fosse obra de minha imaginação.

Alain Prost deve agradecer até hoje ao Sr Jean-Marie Balestre, dois filhos da puta.

Let's Rock! >>> Ryan Adams - Enemy Fire

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Show do Paul, part 1: All My Loving

Depois de descobrir o setlist da Up And Coming Tour, bate aquela vontade de sentir a magia de certas canções em suas versões ao vivo.

Uma das que mais quero presenciar é All My Loving.

Na famosa estréia dos Beatles nos Estados Unidos em 1964, essa foi a primeira canção executada no programa The Ed Sullivan Show, numa audiência estimada em 70 milhões de norte-americanos.

Esse vídeo abaixo, dica do CEL, foi retirado do DVD 'Back In The U.S', que documenta o retorno de Paul aos EUA em 2002, após muito tempo sem dar as caras por lá. Quando All My Loving é executada, surge no telão imagens da Beatlemania na América sessentista. Sente a reação da platéia:


Cantaê, Macca, meu bróder!

E o choro contido daquele tiozão? Quase não segurei a lacrimosa.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

DVD Hotel Avenida

Formação curitibana Hotel Avenida lança DVD gravado no Rock de Inverno 7.

Em julho de 2009, o selo curitibano De Inverno Records organizou a sétima edição do Rock de Inverno, um dos mais importantes festivais de música independente do Brasil. Disposto no bom palco do John Bull Music Hall, o evento trouxe à Curitiba atrações como Fellini, Beto Só e Lestics, além de voltar os olhos da mídia especializada à Curitiba – berço da maioria das bandas escaladas para o evento.

E o Hotel Avenida - banda que na minha opinião integrou o TOP 5 do festival - está lançando hoje um DVD do show gravado no Rock de Inverno 7, numa apresentação forte, com performance destacada do vocalista Giancarlo Rufatto - visivelmente extasiado com o evento - e Rubens K, baixista de várias formações curitibanas (Fábrica de Animais, Terminal Guadalupe, Íris, Jully Et Joe), num último show antes de fixar residência em São Paulo.

Nesta noite, o Hotel Avenida contou ainda com Ivan Santos nos teclados e voz, com o guitarrista Carlão Zubek (OAEOZ, Folhetim Urbano) e o multiinstrumentista Allan Yokohama (TG, Dasvelas) na bateria, além da participação de Igor Ribeiro (Íris, The ESS) no trumpete em Nortuna.

Além do DVD físico, há a possibilidade de download completo (em cinco partes: 1, 2, 3, 4 e 5) ou ainda, se preferir, de baixar as sete faixas separadamente (Zelo, Um centavo, Um herói dividido entre o amor e a cidade, Só o amor pode partir seus joelhos, Reza, Noturna e Eu não sou um bom lugar). Há a opção de assistir via Youtube/Vimeo, sempre uma boa. Recomendo, pra começar, assistir ‘Eu Não Sou Um Bom Lugar’ (entre as minhas melhores canções de 2009) e ‘Só O Amor Pode Partir Seus Joelhos’.


Rufatto numa vibe Tom Waits/Ryan Adams.

Você conhece mais sobre o Hotel Avenida nos blogs De Inverno Records e Cinco Pãezinhos.

Let's Rock! >>> Hotel Avenida - Zelo

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Confirmado: Paul McCartney no Brasil!

Sir Paul McCartney acaba de confirmar no site oficial dois shows no Brasil. Dia 07/11 em Porto Alegre (Beira-Rio) e dia 22/11 em São Paulo (Morumbi).


E agora leia a parte que interessa da nota oficial:

Brazil will have two concerts in November

After months of speculation Paul confirms today that he will be taking his ‘Up and Coming Tour’ back to Brazil. Paul and his band will arrive in November for two shows in Porto Allegre November 7th Beira Rio Stadium and Sao Paulo on November 21st at Morumbi Stadium.

“It's great to bring this tour to Brazil. I love Brazil, they love their music - I love them, I love their music.” says Paul.

(...) The shows in South America will feature a typically diverse set list, drawing on nearly three hours of the world’s most loved music. Paul’s concert will include songs spanning his entire career, from The Beatles, Wings, solo material and tracks from The Fireman’s 2008 album ‘Electric Arguments’.


Let's Rock! >>> Paul McCartney - Only Mama Knows

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Charlotte Gainsbourg & Air

O solo de piano, a voz halls style.

Que bela canção, amigos. "Everything I Cannot See" é uma das pérolas de "5h55", álbum de 2006 da atriz e cantora francesa Charlotte Gainsbourg - filha de Serge Gainsbourg e Jane Birkin - em parceria com o duo Air.

Ouvi dizer que o Ramiro colocou o disco pra download aqui.



Let's Rock! >>> Charlotte Gainsbourg & Air - Everything I Cannot See

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Palmeiras na Stock Car

A famiglia Fittipaldi é toda palmeirense.

AVANTI, CHRISTIAN!



Let's Rock! >>> Cake - Race Car Ya-Yas

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Iguazu Falls e Santos Dumont

É, fui lá ver as Cataratas do Iguaçu. E quando o passeio terminou, avistei uma estátua do Santos Dumont e questionei delicadamente: "qual político gastou dinheiro nessa merda?"

E o guia turístico explicou: foi Santos Dumont quem pressionou o governo do Paraná para transformar a região das cachoeiras em parque público.

Em 1916, o bigode voador fez uma viagem de Buenos Aires à São Paulo e deu uma paradinha pra conhecer o Salto Iguassu. Encantado, dias depois concedeu entrevista ao Estadão: "É o Niagara latino, oferece o mais bizarro pitoresco deste mundo: cachoeiras numerosas e variadíssimas, ilhas espalhadas, vegetação e uma infinidade de aspectos belíssimos".

E então Dumont comprometeu-se em ajudar na criação de um parque nacional, pois em 1876, o governo já havia recebido proposta para transformar o local em parque, mas nada havia sido formalizado. E - veja só o poder da política - poucos meses após a pressão do ilustre visitante, o local - até então propriedade particular - é declarado público. E, finalmente, em 1939 é criado o Parque Nacional do Iguaçu.

Santos Dumont é o cara, meu amigo.

Valeu, Dumont!

Let's Rock! >>> Sufjan Stevens - Niagara Falls / Sebastião Estiva - Para Fazer Tai-Chi Nas Cataratas Do Iguaçu

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Eu, Clint Eastwood e Christopher Reeve

Descobri que tenho a altura de duas grandes lendas do cinema mundial quando procurei o 1,93m nessa tabela com o tamanho de gente famosa: apenas Clint Eastwood e Christopher Reeve.














Pura classe.

Let's Rock! >>> Jamie Cullum - Gran Torino

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Ardil, sagacidade e agudeza

A beleza de uma ultrapassagem durante a quarta etapa do Go Kart 2010. Viludo demais!

clique para ampliar.

Let's Rock! >>> Charles Aznavour - La Formule Un

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Nelsinho Piquet solta o verbo na IstoÉ

Nelsinho Piquet fodendo a carreira em Cingapura

"O Massa ficou muito chateado comigo porque ele acha, até hoje, que perdeu o campeonato de 2008 por minha causa. Nunca mais conversei com ele." (...) "O Galvão é um narrador profissional, ele precisa falar para o povão, mas muita coisa que ele diz não faz sentido." (...) "Tive minha experiência na Fórmula 1, tinha muitas expectativas, mas acabou. Hoje tenho claro na minha mente que quero ser o primeiro brasileiro a conquistar o título da Nascar nos Estados Unidos. (...) Quero ser para a Nascar o que o Emerson Fittipaldi foi para a F-1."

Esse cara é filho do Nelsão, não tem jeito. Sem papas na língua - alterna entre arrogante e atrevido - e realista ao extremo, mas as palavras não tem muito peso quando se nasce em berço de ouro. Um chá de ostracismo no mundo real acabaria com toda essa insolência.

O quê importa, de fato, é a velocidade. E isso o cara tem de sobra. A entrevista toda está aqui.

Let's Rock! >>> Jack Nitzsche - The Last Race

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Danny & The Champs

Hoje de manhã me lembrei porque sempre tive vontade de fazer música. "Follow The River", do Danny & The Champs, me fez cantar, mexer as pernas e bater forte no volante. É um folk/alt-country animadinho, seguindo preceitos de Dylan, Springsteen e Tom Petty.

É como se o Neil Young fosse uma criança nos 80's, ouvindo todo o rock pungente de sua adolescência até descobrir que o segredo da vida esteve desde sempre nas velhas planícies canadenses. Uma metáfora deste escriba, que adoraria transformar essa inquietude em poesia, pra cantar com voz embargada juras de amor ao interior do país.

http://www.dannyandthechamps.com/ (valeu pela dica, JW)

Let's Rock! >>> Danny And The Champions Of The World - Follow The River

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Bolão COPACOPACOPA (resultado final)

senhoras e senhores, eis o BOLÃO COPACOPACOPA!

r$10/cada e vence quem fizer mais pontos de acordo com as regras do bolão da ESPN.
17 palpiteiros cadastrados, portanto r$170 em prêmios, uma fortuna!

1º lugar, 60%: R$102
2º lugar, 30%: R$51
3º lugar, 10%: R$17


Link direto pra acompanhar a pontuação da galera no bolão 'COPACOPACOPA'.

PALPITEIROS: Marcelo Urânia, Juliana Perrella, Zelu Ferrari, Túlio Bragança, Tiago Agostini, Tuna Castilho, Fernando Garbin, Diogo Fernandes, Felipe Kuissik, Vanderlei Longo, Carla Faria, Marcelo Cruz, Ivana Lemos, Vitor Perrella, Walter Petla, Orival Santana e André Ramiro.


Ranking final do megabolão COPACOPACOPA!

1 Walter 454 ptos (jogos) + 57 ptos (convocação) = 511 ptos
2 Diogo 442 ptos (jogos) + 60 ptos (convocação) = 502 ptos
3 Tiagão 434 ptos (jogos) + 54 ptos (convocação) = 488 ptos
4 Ivana 424 ptos (jogos) + 57 ptos (convocação) = 481 ptos
5 Tuna 408 ptos (jogos) + 63 ptos (convocação) = 471 ptos
6 Marcelo Cruz 406 ptos (jogos) + 63 ptos (convocação) = 469 ptos
7 Juju 401 ptos (jogos) + 54 ptos (convocação) = 455 ptos
8 Urânia 390 ptos (jogos) + 60 ptos (convocação) = 450 ptos
9 Zelu 390 ptos (jogos) + 54 ptos (convocação) = 444 ptos
10 Vanderlei 385 ptos (jogos) + 57 ptos (convocação) = 442 ptos
11 Orival 363 ptos (jogos) + 57 ptos (convocação) = 420 ptos
12 Ramiro 408 ptos (jogos) + 00 pto (convocação) = 408 ptos
13 Carla 342 ptos (jogos) + 45 ptos (convocação) = 387 ptos
14 Vitor 303 ptos (jogos) + 48 ptos (convocação) = 351 ptos
15 Seu Felipe 255 ptos (jogos) + 54 ptos (convocação) = 309 ptos
16 Tulio 00 pto (jogos) + 57 ptos (convocação) = 57 ptos
17 Garbin 00 pto (jogos) + 00 pto (convocação) = 00 pto

Let's Rock! >>> The Vuvuzelas - Fomfom

segunda-feira, 28 de junho de 2010

DS7 pode ser DS9?

A situação de Diego Souza está deixando Luiz Felipe Scolari impaciente, o técnico exige uma definição imediata e quer a reintegração do jogador ao elenco do Palmeiras.

As palavras de Scolari e as investidas do Palmeiras em contratar El Mago Valdívia e Deco (para um time com armadores do calibre de Cleiton Xavier, Lincoln e o próprio Diego Souza) trouxeram uma questão que me parece pertinente diante da dificuldade em trazer um centroavante de qualidade: Felipão quer Diego Souza com a 9 do Palmeiras?

DS7 é alto, forte, com habilidade bem acima da média, bom finalizador em chutes e cabeceios. E, de quebra, Felipão resolveria a maior bronca da torcida do Palmeiras com o atleta: a falta de dinâmica de jogo, pq camisa 9 precisa ser referência na área ao invés de correr o campo todo o tempo inteiro.

Pra mim, DS7 seria um ótimo DS9!

São Marcos; Vitor, Léo, Danilo e Cheide (vontade); Pierre, Cleiton Chico Xavier e Presidente Lincoln; El Mago Valdivia, Gladiador e DS9.

Atualização 30/06: Diego Souza no Atlético/MG...

Let's Rock! >>> Carmen Miranda - Minha Terra Tem Palmeiras

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Copa do Mundo 1958

Usei na estréia do Brasil contra a Coréia do Norte um uniforme que me fez lembrar de um retrato antigo.


Let's Rock! Assis Valente - Brasil Pandeiro

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Copa do Mundo 2010: os sete melhores jogadores


1. Lionel Messi (Barcelona/Argentina): rápido, habilidoso, preciso, organizador, finalizador. Em todo jogo. É incrível.


2. Cristiano Ronaldo (Real Madrid/Portugal): quase Messi, peca na objetividade e constância, mas é mais forte e chuta melhor. Outro baita jogador.


3. Didier Drogba (Chelsea/Costa do Marfim): força física, destreza, objetividade. Drogba não joga futebol, massacra zagueiros. É impressionante.


4. Xavi Hernandéz (Barcelona/Espanha): passa a bola e organiza a partida como nenhum outro jogador no mundo. Um maestro.


5. Wayne Rooney (Manchester United/Inglaterra): Rooney não é brasileiro e não desisti nunca. Um monstro travestido de centroavante.


6. Kaká (Real Madrid/Brasil): classe. Domina, ergue a cabeça e decide entre a arrancada ou toque preciso.


7. Samuel Eto'o (Internazional/Camarões): veloz, finalidor sagaz, atua como ponta ou centroavante. Mortal.


8? Marcelo Urânia (Palmeiras/Brasil): falso lento, passadas largas, alto, atua como centroavante ou zagueiro (depende!). Bruto.

Let's Rock! >>> Glasvegas - Flowers and Football Tops

terça-feira, 8 de junho de 2010

Copa do Mundo 2010: English Team

[os seis favoritos pra vencer a CO-PA, meu amigo: Portugal, Inglaterra, Holanda, Argentina, Brasil e Espanha]

E do Reino Unido vem outro grande favorito. A Inglaterra finalmente pode reverter em título a classe e habilidade dos meio-campistas Steven Gerrard (Liverpool) e Frank Lampard (Chelsea) graças à excelente fase de Wayne Rooney (Manchester United) e à solidez da base do Mundial 2006.

morrissey & marr.

O fracasso nas eliminatórias da Euro 2008 trouxe o treinador Fabio Capello ao time. E o estilo linha dura do italiano mudou o comportamento das celebridades do English Team, agora bem mais dispostos ao coletivo.

Além do trio ofensivo, a segurança de uma boa campanha passa pelo lado esquerdo da zaga com o lateral Ashley Cole (Chelsea) e com o zagueiro John Terry (Chelsea) - que formaria o melhor miolo de zaga da Copa com o recentemente lesionado Rio Ferdinand (M United).

O grande problema de Fabio Capello é encontrar um companheiro de ataque para Rooney. Jermanie Defoe (Tottenham) e Emile Heskey (Aston Villa) brigam pela titularidade, com vantagem para a velocidade de Defoe frente ao tamanho de Heskey.

Por outro lado, o excesso de jogadores velozes - Aaron Lennon (Tottenham), Joe Cole (Chelsea), Shaun Wright-Phillips (Manchester City) e o próprio Defoe - que jogam tanto pelas pontas como compõe o meio-campo, dão possibilidades para Capello mudar o esquema de jogo. Um grande trunfo para o English Team.

dança da motinha.

Outros destaques: música da torcida (desde o hino nacional aos clássicos do rock inglês); segunda camisa é linda; Shaun Wright-Phillips joga muito; dancinha de robô do Peter Crouch.

Pontos fracos: os goleiros convocados são fraquíssimos; as recentes contusões dos dois laterais ainda preocupam; uma pena perder Rio Ferdinand; o escândalo conjugal entre Bridge e Terry; dancinha de robô do Peter Crouch.

Obs: conheça os outros favoritos.

Let's Rock! >>> New Order - World in Motion

terça-feira, 1 de junho de 2010

CD-R's, um clássico.

Viagem de 800km sem música. Dirigir 8 ou 9 horas sem música. NOT.

Amanhã o trajeto até Urânia será em carro de terceiro (conhecido como carona, mas eu na boléia) e teremos a companhia de um clássico rádio am/fm com cd-player, meu desejo de consumo nos anos 90.

Então pensei em gravar alguns cd-r's pra ser feliz e... pre-gui-ça.

Entre gravar porra nenhuma e morrer de tédio nas FM's do caminho, lembrei de uns cd-r's antigos, com capinha no photoshop e caixinha de plástico.

E os encontrei! Tirei até uma foto. Destaques pro sexto membro do Strokes, pro cd-r da discotecagem de lançamento do Tinidos, pro Indie Rock/2003 (haha), pro FM Zine Records, pra Penny Lane e pro mítico Rally Championship (original.

Alguns desses mp3 foram baixados via Napster. Relíquias digitais!

Let's Rock! >>> Johnz - Tudo o que eu não pude ser
[Hoje eu quero tentar não olhar para trás, cantar outra canção(...)]

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Copa do Mundo 2010: Carrossel Reloaded

[os seis favoritos pra vencer a CO-PA, meu amigo: Portugal, Inglaterra, Holanda, Argentina, Brasil e Espanha]

Os neerlandeses estão entre os melhores na África do Sul. E há cinco argumentos sólidos e ofensivos para essa afirmação: Robben (Bayer Munique), Sneijder (Inter Milão), Van Persie (Arsenal), Van der Vaart (Real Madrid) e Kuyt (Liverpool).

Os cinco avantes supracitados atravessam grande fase em seus times e forçaram um espaço entre os titulares do selecionado de Bert van Marwijk, num esquema parecido com as atuais formações de Barcelona e Santos (4-3-3 no ataque e 4-5-1 defendendo).

Bobeou Van Persie pimba.

Robben e Kuyt jogam abertos nas pontas com Van Persie centralizado como referência do ataque (Kuyt e Van Persie podem revesar), Sneijder e Van der Vaart são os articuladores e ajudam um pouco na marcação. Classificada com grande antecipação para a Copa da África do Sul, a nova geração do carrossel holandês está invicta há 16 partidas.

Apesar de não ganhar campeonatos expressivos desde a Eurocopa 88, a Holanda conseguiu esquecer a geração de Marco Van Basten e Ruud Gullit para, finalmente, formar novos jogadores capazes de vencer uma Copa do Mundo. O atual elenco foi responsável pela maior sensação da Eurocopa 2008, goleando os finalistas do Mundial 2006 por 3-0 (Itália) e 4-1 (França), mas inexplicavelmente perdendo na segunda fase para a Rússia.

mistério: se a parte de cima da bandeira não é laranja, pq a meia é azul?

Outros destaques: Mark van Bommel (Bayern de Munique) é capitão do atual vice-campeão europeu, experiente e único responsável pela marcação; adeptos do futebol arte desde 1974 com o clássico carrossel apelidado de laranja mecânica; Amsterdã e Van Gogh.

Pontos fracos: a ausência do gigante Van der Sar, goleiro da seleção de 1994 até 2008, uma verdadeira lenda que ainda atua em alto nível no Manchester United; meias azuis; Ivo Holanda; a frase do ônibus ('não tema os cinco grandes, tema os 11 laranjas'. ã?).

Obs: conheça os outros favoritos.

Let's Rock! >>> Chico Buarque de Holanda - Agora Falando Sério

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Copa do Mundo 2010: Ora Poix ó Gajo

[os seis favoritos pra vencer a CO-PA, meu amigo: Portugal, Inglaterra, Holanda, Argentina, Brasil e Espanha]

Portugal está entre os seis melhores time da Copa do Mundo. Um #prontofalei atestado pela presença de bons elementos do vice-campeonato da Eurocopa 2004 e da belíssima campanha do Mundial 2006, e pela presença de Cristiano Ronaldo ainda mais forte e experiente.

Cristiano Ronaldo passa perfurme pra jogar futebol.

O super astro do Real Madrid é metrossexual e firulento, mas é absolutamente destruidor quando resolve ser objetivo. É o segundo melhor jogador do mundo na atualidade (sim, Messi é o melhor) e capitão da seleção formada por Carlos Queiroz.

O time base é muito forte. Se Cristiano brilhar podem superar as campanhas semifinalistas de 1966 (com a lenda Eusébio) e 2006 (com Figo e Felipão) para disputar a primeira final de Copa do Mundo em sua história.

A grande merda é que estão no grupo do Brasil. E como o chaveamento da Copa do Mundo coloca Brasil ou Portugal num confronto com a Espanha já nas oitavas-de-final, é praticamente certo que um favorito já voltará pra casa na segunda-fase. Uma pena.

Carlos Queiroz é o Dunga deles.

Outros destaques: o zagueiraço do Chelsea, Ricardo Carvalho; o meiocampista brasileiro naturalizado Deco, também do atual campeão inglês; e o trio ofensivo formado por Nani (Manchester United), a fera Cristiano Ronaldo (Real Madrid) e, outro brasileiro, Liédson (Sporting).

Ponto fraco: podem se foder diante da Costa do Marfim; as recentes contusões do zagueiro também luso-brasileiro Pepe e do volante Tiago; a dupla de volantes do Sporting - Miguel Veloso e Pedro Mendes -, novata na seleção; a dependência de Cristiano Ronaldo; e a ausência de bigodes.

Obs: conheça os outros favoritos.

Let's Rock! >>> Ornatos Violeta - Para Nunca Mais Mentir

terça-feira, 25 de maio de 2010

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Zagueiro burro

Eu já joguei bastante futebol na vida. E ontem no jogo Corinthians x Flamengo vi algo que me deixou um tanto emputecido.

Lembro dos meus tempos de guri no pré-mirim e no mirim do futsal da escola, e também no futebol de campo do time de Urânia e do Atlético/PR. No campo eu era zagueiro, no futsal joguei em todas as posições.

E em qualquer um desses times, independente da idade, se um zagueiro do nosso time olhasse apenas a bola ao invés de marcar o centroavante, o professor/técnico URRAVA durante uns 15 minutos. Era inadmissível, um erro crasso que merecia um sermão devastador.

Agora, pense que um zagueiro profissional do time de maior torcida no país ficou olhando a bola e esqueceu de marcar o Ro-nal-do. Como pode?

David, o zagueiro burro, e o erro infantil aos 55 segundos.

Sorte que o #centenada livrou a cara desse imbecil.

Let's Rock! Jorge Ben - Zagueiro

terça-feira, 4 de maio de 2010

Sei lá então

"Sabe aquela fase em que a gente tem vontade de apertar o delete e começar tudo de novo? Todo mundo já deve ter passado por isso, acho. Eu vivo isso em turnos cíclicos, mas as coisas todas parecem estar mais densas agora, o quê sempre é uma bobagem: as dificuldades que estamos vivendo sempre são as mais difíceis, embora se tivéssemos a visão do todo talvez observássemos que o probleminha de agora não é nada perto a outro que a gente já viveu."

Sentimentalidades do Mac, partilhadas pelo mundo.

Let's Rock! >>> Paul Weller - No Tears To Cry

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Um homem sábio.

Ao telefone:

"Tarrrrde, pai! Tudo bem aí?"
"Remando contra a maré tempestuosa da vida."

Poucas e sábias palavras.

Let's Rock!  Paul Weller - No Tears To Cry

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Bob Dylan é a Ilha de Lost.

Eu aqui tentando baixar o novo disco do Jakob Dylan e... o nome do filho da lenda viva Bob Dylan é nada menos que Jakob Luke Dylan.

Leia de novo o nome da fera: JAKOB LUKE DYLAN.

JAKOB, numa discreta mudança de letra daquele que coordena(va) as ações na Ilha de Lost.
LUKE, o 'F'Locke, numa alusão à Star Wars e o lado negro da força.

Bob Dylan é o pai de Jakob Luke Dylan, portanto é o pai de 'F'Locke e Jacob num só ser.

Bob Dylan é a Ilha de Lost.


Reunião em 69 na Isle of Wight: Dharma feelings.

Let's Rock! >>> Bob Dylan - Isle of Wight Festival '69 (album)

sábado, 24 de abril de 2010

As Bicicletas de Belleville

('Bicicletas de Belleville' será exibido nesta terça 27/04 no miniauditório do Campus Curitiba da UTFPR)

Indicado ao Oscar de melhor animação e melhor canção em 2004, o longa-metragem do diretor francês Sylvian Chomet é notável por sobrepor o desenho ao texto numa narrativa tensa, crítica e irônica, imersa em nostalgia e revivalismo. Fruto da parceria longeva entre Chomet e o compatriota Nicolas de Crécy, a linha expressionista de ‘As Bicicletas de Belleville’ nos apresenta aos personagens em cores determinadas pelo próprio cenário francês.

O passado nos encontra e guia nosso olhar para uma França apaixonada pelas bicicletas do Tour de France e pela vida ao ar livre, girando em cores sepiadas e tons pastéis - em referências às animações de Max Fleischer, ao cinema mudo e ao teatro de revista - para acompanhar a vida de Champion, Madame Souza e o cão Bruno numa abordagem agridoce, com silhuetas verdes e azuis, cenários decadentes em meio ao glamour, no contrasenso do ferro com a borracha que formam às bicicletas e induz o espectador à vida da época.

A comunicação por imagens traz um roteiro onde vovó Madame Souza anseia que o neto Champion, um apaixonado por bicicletas, torne-se campeão da famosa Tour de France. Até que o rapaz e outros ciclistas são sequestrados em meio a competição. É quando Madame Souza e seu fiel cão Bruno entram em ação - com ajuda de um trio de dançarinas de cabaré elegantes e decadentes - numa aventura pela França dos anos 50 à procura de Champion.

As curvas do ciclista Champion, o focinho do cão Bruno, as bochecas de Madame Souza, o comprimento das dançarinas de cabaré, a aversão ao consumismo e modernidade, a ironia - em explícita referência ao ícone da comédia francesa Jacques Tati -, a nostalgia, as técnicas de animação, as cores, o cinema mudo... com tais elementos a dupla Chomet e Crécy torna Le Triplettes de Belleville (título original) um símbolo da importância do desenho no roteiro.

(texto especialmente escrito para o Clube de Cinema da UTFPR, baseado em trechos de Juliana Perrella e Graciele de Mello. Confira programação 2010, tema animação.)


Let's Rock! >>> Kraftwerk - Tour de France

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Ostentando a fibra na Arena da Baixada

Ontem estive na Arena da Baixada para prestigiar o Palmeiras. Túlio e Felipe me acompanharam na empreitada. Ricardo teve problemas no trabalho e não pode ir. Louvamos a São Marcos por ele.

Seguem abaixo alguns tópicos absolutamente notáveis para quem esteve no estádio, mas pela TV nem tanto:

- Nos arredores do estádio, policiamento como nunca vi em Curitiba. Clima de guerra por três fatores: briga espartana no Couto Pereira (Brasileirão/09), resultado satisfatório de operação policial semelhante no último Atletiba e, claro, a polêmica racial entre Manoel e Danilo. Confesso que pensei na saída do estádio e temi por nossa integridade física.

- Torcida do Patético/Pr é bizarra: xingou o Coxa e o Danilo o tempo todo. E na hora de apoiar o próprio time, criatividade zero: gritam apenas o nome do time. E na entonação errada! E me parece que ainda tem orgulho de trocar a sílaba tônica. Não entendo.

- Quando um time das categorias de base do Atlético-PR entrou em campo antes da partida, puxei o coro "uh, viadinho" e todo mundo acompanhou. Pura malandragem, ein.

- Briga na torcida do Palmeiras antes do jogo. Aparentemente entre a mesma organizada, vi caras com camisetas de Santa Catarina. Na boa, nada mais que deprimente.

- o goleiro Deola foi o jogador mais festejado quando os reservas foram aquecer próximos da torcida. Jogou a camisa pra torcida no final. Vejo nele o sucessor de São Marcos.

- São Marcos, anjo e guardião de Palestra Itália, me pareceu desanimado. Não só com as falhas da equipe, mas estar ali parecia irritá-lo. Espero que seja apenas impaciência com a falta de finalizações e com o rumo da partida.

- Juizinho fraco. Medo de briga entre os jogadores era tão grande que marcava qualquer faltinha, pros dois lados. Irritante. Expulsou o cara do Atlético por conta dos cartões precipitados no começo do jogo. E aí tentou compensar naquele pênalti ridículo (quase pulei no gramado de raiva).

- Vejo o pênalti perdido pelo Robert Snipes pelo lado bom. Se ele faz, o Palmeiras iria golear e o risco de apanhar no final seria maior.

- Diego Souza apenas caminhou no segundo tempo (marra lamentável) e Lincoln é pura classe dentro de campo. Joga de cabeça erguida, sem firulas ou arranques desumanos, apenas futebol simples e objetivo. Mas acho que isso deu pra notar pela TV.

- Descobri quem fez o gol do Palmeiras já fora do estádio, na hora apenas pulei, bati no peito e gritei "GOOOOOOOOLLLL, CARALEOPORRATOMANOCUBANDODEFDPDUMAFIGAÉNÓIS". haha

- E que bonito é o futebol, amigos. Estou rouco de tanto ostentar a fibra.

Let's Rock! >>> Carmen Miranda - Minha Terra Tem Palmeiras

sábado, 13 de março de 2010

TOP 5 carros da F1

Sinto-me num momento F1-freak. Certamente fruto do terceiro ano do Go Kart, da volta do Schumacher, da bombástica dupla Alonso-Massa e, principalmente, da ansiedade pela viagem ao GP Brasil. Estou empolgado, confesso.

Cheguei ao ponto de não me satisfazer com as novas notícias. Então comecei a ler sobre a história da F1. E descobri carros fantásticos, numa época sem tanta política, tecnologia e segurança, onde os pilotos precisavam ter CU-DURO pra acelerar fundo.

Isto posto, meu nobre, pirei o cabeção e resolvi montar um TOP FIVE dos carros mais bonitos da história da Fórmula 1, onde procuro um coeficiente entre relevância histórica e beleza estética pra elencar os escolhidos.

(clique nas fotos para ampliar)

5º) Lotus 72

Essa bela pintura vermelho-ouro da Gold Leaf (um dos primeiros patrocínios da F1) e o design que Colin Chapman criou em 1970 levaram Emerson Fittipaldi à primeira vitória na Fórmula 1.

O brasileiro assumiu o cockpit após a morte de Jochen Rindt no qualify em Monza. Em sinal de luto, a Lotus não correu em Monza e no Canadá. E Chapman então convocou o novato Fittipaldi (apenas três provas com a Lotus 49) para substituir Rindt no Lotus 72 em Watkins Glen. Emerson apenas venceu a corrida.

4º) Ferrari Dino 156

É o modelo que levou Phil Hill ao título de 1961, primeiro e único campeão mundial de F1 nascido nos EUA (Mario Andretti nasceu na Itália).

O carro é inovador, principalmente pelo bico num formato nariz de tubarão (sharknose), mas também por trazer o primeiro motor traseiro de uma Ferrari e por materializar a transição dos carros "gordos" dos anos 50 para os "charutos" que caracterizaram os anos 60. E, amigo, eu tinha que colocar uma Ferrari. Há uma foto recente do carro aqui.

3º) Lotus Renault 97T

Esse carro preto com a pintura John Player Special é lindo de chorar. Não gosto muito do piloto tão à frente no carro, mas é o bólido da primeira vitória de Ayrton Senna, em 1985, no circuito de Estoril, Portugal, num puta aguaceiro (veja esse vídeo excelente). Um clássico absoluto.

O 97T sempre foi muito rápido, mas pouco confiável. Senna fez 7 poles em 1985, mas abandonou provas que liderava por problemas mecânicos. Veja aqui uma foto curiosa no glorioso final de semana em Estoril.

2º) Brabham Repco BT19

Em 1966, cinco anos após a fundação da equipe, Jack Brabham e Ron Taunarac construíram o BT19. É o mais clássico dos Brabham.

O bólido se adaptou bem à nova regra de motores 3.000c e levou o próprio Jack ao tricampeonato, consagrando-o como o único campeão com um carro construído por ele mesmo.

É o charuto mais bonito da F1. Pra alcançar 300km/h nos anos 60 era preciso CU-DURO, amigo. Acho fascinante.

1º) McLaren Honda MP4/5B

Todo mundo gosta do MP4/4, o carro do primeiro título de Ayrton Senna, quando a equipe venceu 15 das 16 corridas de 1988.

Porém, pra mim, o carro mais bonito de todos os tempos é o MP4/B5, de 1990, o ano do bicampeonato de Senna. Este era o carro que eu ficava desenhando no caderno ao invés de estudar. Horas pra detalhar o Marlbhoro do aerófolio traseiro. Absolutamente fantástico.

Let's Rock! >>> George Harrison - Faster

segunda-feira, 1 de março de 2010

Nick Hornby na revista Veja

Sabe Alta Fidelidade, com o John Cusack? Lembra de Febre de Bola, com a Drew Barrymore? Humm... talvez Um Grande Garoto, com o Hugh Grant? Todos são filmes baseados em livros do sujeito da foto: Nick Hornby.

A introdução da entrevista na VEJA é direta e eficaz: "Nick Hornby, 52 anos, é um dos principais nomes da ficção inglesa contemporânea. (...) às vezes descrito como alguém que se dedica a retratar um tipo muito específico: trintões e quarentões que se recusam a crescer. Seu tema, no entanto, é outro: a maneira como a cultura pop - e a música em especial - moldou a sua geração e as gerações seguintes. Seus personagens são um amálgama das canções que ouvem, do estilo de roupa que usam, do time para que torcem. Mas não são só superfície. Hornby sabe como dar densidade a cada um de seus heróis - sempre num estilo leve e mordaz."

A entrevista saiu na revista Veja há semanas, mas só consegui ler agora. E gostei bastante de três partes:

1. "no meu consumo diário de música, não quero ouvir algo que já ouvi 500 vezes antes."

2. "Compro CDs de vez em quando. Tenho a sensação de que, se não tenho a música fisicamente, ela se perde. (...) Gosto de comprar os CDs mais importantes: é mais fácil lembrar deles quando estão visíveis em uma pilha na minha casa.

3. "Logo que comecei a ir ao estádio (...) eu olhava ao redor e via homens de todas as gerações - garotos, adultos, velhos. Eu já imaginava então que o time seria uma paixão para a minha vida toda."

Saca identificação? Então. É nóis na fita!

Let's Rock! >>> The Shins - Pressed In A Book