terça-feira, 27 de outubro de 2009

Um triathlon automotor pra decidir: Schumacher, Rossi ou Loeb?

Quem me conhece um pouco mais, sabe que sou um fã de esportes. Meu nome é futebol e meu sobrenome automobilismo. Então é claro que no último final de semana fiquei atento às disputas da motovelocidade e do mundial de rali, onde Valentino Rossi poderia sagrar-se heptacampeão nas motos e Sebastian Loeb tentaria o hexacampeonato seguido no WRC.

Schummy, Il Dottore e Diego ex-Santos.

Taças confirmadas, claro, e uma dúvida: quem é o melhor piloto entre os multicampeões Loeb, Rossi e Michael Schumacher? Absolutamente geniais, mas em máquinas completamente diferentes. Como provar quem é o melhor?

Um triathlon, amigos! Um triathlon automotor! 300km de Fórmula 1, 300km de MotoGP e 300km de Rali. Pronto. (exijo os royalties desde já, Ecclestone!)

A "Extreme Champions Tour" - já inventei até o nome! - poderia ser em três finais de semana consecutivos em lugares exóticos - seguindo a cartilha de Ecclestone e sequazes -, com treinos no sábado e a corrida no domingo. Uma das regras mais importantes: veículos iguais (três Ferrari, três Yamaha e três Citröen). Outra: as pistas/traçados teriam que ser desconhecidas pelos pilotos, para testar a rapidez no acerto. Os outros detalhes deveriam seguir as regras de cada categoria.

É somar os tempos e tchanãn, veremos quem é o mais rápido.

Em tempo, aposto em Valentino Rossi.

E você? (que pretensão perguntar pro leitor após dois posts com ZERO comentários! haha)

Let's Rock! >>> Tom Zé - Interlagos F1

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Em defesa de Rubens Barrichello

De 99,97% das pessoas que conversei desde que Barrichello perdeu a liderança do GP Brasil, ouvi: “Esse Rubinho é um cagado, mesmo”, “Esse Rubinho é muito ruim”, “O cara é muito azarado, tinha de furar um pneu?”, “Esse cara é muito ruim, não vai ser campeão nunca”, “Quando a gente mais espera dele, faz isso”. E algumas variáveis sobre o mesmo tema.

Eu já tinha uma certa impressão, mas depois deste fim de semana, tenho certeza. O problema de Barrichello não é ele, não são seus carros, não são seus companheiros de equipe. O problema de Barrichello é a que a imensa maioria dos brasileiros se informa sobre F1 na Globo, ou seja, informação talhada por cascatas, alimentando uma expectativa que muitas vezes não poderá ser cumprida, com zero de jornalismo honesto.

Corrida de carro tem lógica, é matemática, e quem mostra um evento desses a milhões de pessoas tem a obrigação de ser honesto. Porque se no final um brasileiro não for vencedor, as pessoas não tem elementos para entender a derrota. E se amparam na explicação que está à mão: o cara é cagado, dá azar, não vai ganhar nunca. E, aí, vai-se criando a fama, dia após dia, de perdedor, azarado, cagado. Uma farsa, uma mentira.

Barrichello pode não ser o melhor piloto do mundo, está longe disso, mas é um dos bons dos últimos anos, como outros tantos. Nem muito mais, nem muito menos. Não estaria há tanto tempo correndo se não tivesse qualidades. E quando parar, muito provavelmente sem ter sido campeão, terá para sempre colado na testa o rótulo de cagado, azarado, lento, o que for. Pode agradecer à TV por isso.
(texto de Flavio Gomes adaptado para quem não gosta tanto de automobilismo.)

Let's Rock! >>> Rubens & The Barrichellos - Mahagoni Dream/Brazil

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Da introdução das músicas do New Order

Poucas bandas tem o privilégio de ter as músicas tão facilmente reconhecidas nos primeiros segundos. Os maiores hits do New Order são assoviáveis por quem nem liga muito pra música ou nem imagina que já existiu uma banda chamada Joy Division. É impressionante como todo mundo reconhece a linha de baixo ou os riffzinhos ou a toada da bateria, basta ouvir algumas vezes e pronto, grudou.

Pra se ter uma idéia, atente às pistas de dança. O início de "Blue Monday", por exemplo. No primeiro segundo já se ouve uns gritinhos da galere, mesmo que ninguém saiba exatamente qual é a música, todo mundo se diverte e acompanha o ritmo com a boca/mãos/pés... do jeito que der.

E isso, claro, acontece em "Bizarre Love Triangule". Ou, em eventos mais alternativos, na bateria guitarrada de "60 Miles An Hour" e "Crystal". E na batida de "Krafty", fantástica. Os tapas de "True Faith". E "Love Vigilantes"? Quem não souber é mulher do padre.

Portanto... uma salva de palmas para Peter Hook, Bernard Sumner e Stephen Morris. Seria esse o segredo do sucesso da banda? E eu nem vou falar sobre Joy Division...


Kraft, com legendas.

Let's Rock! >>> Monaco - What Do You Want From Me

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Cinemitcha 3D.

Já fazia um certo tempo que eu estava MUITO afim de ver um filmezinho em 3D. Acho fascinante pensar num filme que salta - quase que literalmente - aos olhos.

Depois que o Cinemark do Shopping Mueller inaugurou uma sala malandrona, com som melhor que as salas normais, óculozinhos 3D e talecoisa, a vontade cresceu vertiginosamente, mas eu esperei a vontade passar e... esqueci. Eis que, de repente, praticamente todos os cinemas da cidade instalaram o sistema 3D ao menos em uma sala, o quê provocou um certo frenesi neste que vos escreve: "agora eu vou nessa porra".

Na última semana, apenas convoquei mademoiselle
Juliana para assistir à animação "Up - Altas Aventuras", a nova produção da sensacional Pixar. Fomos ao cinema do Shopping Curitiba - o mais barato naquele dia (r$6!) -, pegamos os óculos, rasgamos a fita que diz "higienizado" e pronto, rumamos à poltrona. Já devidamente paramentados, acompanhamos os trailers.

personificação de "o grito" assombra casal curitibano. on Twitpic

Fiquei boquiaberto, mermão. Emitia feliz umas interjeições de espanto a cada imagem que vinha pra cima da gente. Apesar da carona ridícula naqueles óculos quadradões, achei FODA. No trailer mais legal de todos, o do novo "Toy Store", a tela do cinema parecia um palco de teatro. As imagens tinham profundidade! Fiquei com a nítida impressão de "quem-produziu-isso-tá-querendo-enganar-meus-olhos!". Absolutamente fantástico.

Durante o filme várias cenas davam a mesma impressão de profundidade (ou saltar da superfície, depende do ponto de vista). Depois de meia hora vendo aquilo, o efeito parece banal, mas é incrível sim, não se deixe enganar. De boa, adorei a experiência.


Let's Rock! >>> Belle & Sebastian - Like Dylan in the Movies

terça-feira, 6 de outubro de 2009

GP Brasil de F1, quase.

depois de hoje, prometo que em 2010 estarei em interlagos. sozinho, que seja. mas eu vou, tenho certeza. após 10min do acontecido, ainda tô meio assustado.

é que eu sempre faço umas apostas no bolão tazio, pra tentar acertar o resultado das corridas de f1. e há duas corridas, os maiores pontuadores APENAS ganhavam ingressos para o GP Brasil de F1. dei o sangue para tentar adivinhar o pódio e a melhor volta das corridas em cingapura e no japão. fiz todas as análises, li muito mais que costumo ler.

pois bem, no gp de cingapura, naquela pista sem alma, não acertei bulhufas-patavinas. mas na última corrida, em suzuka, no japão, um circuito clássico, acertei o vencedor (vettel) e o terceiro colocado (hamilton).

e por pouco também não acertei a melhor volta da corrida - mark webber fez o giro mais rápido no finalzinho da prova, e minha aposta (vettel) tinha a melhor volta até então. saca só o drama: mark webber fez 1:32.569 na volta 50, sebastian vettel fez 1:32.572 na volta 43.

PERCEBA QUE NÃO VOU A INTERLAGOS POR 0,003 SEGUNDOS!

fiquei em 3º no geral (leia), sendo que os dois primeiros ganharam ingressos para ver a corrida em são paulo. vou ganhar uns brindes da Renault F1 Team como consolação.

phoda com ph.

ó meu nome ali. (clique na imagem para ampliar ou leia no tazio)

Let's Rock! >>> Grant-Lee Phillips - Dream in Color/Buried Treasure