quarta-feira, 1 de abril de 2009

A Segunda Academia e o Palmeiras 2009

O mau futebol apresentado pelo Palmeiras nas últimas partidas me fizeram procurar um modo de melhorar a equipe. Afinal, a partida decisiva pela Libertadores, contra o Sport, é na próxima semana. Então busquei referências de grandes times, de formações famosas por alinhar o esquema de jogo às características do elenco. Quando penso em um grande time, sempre lembro das variáveis do 3-4-3 do Felipão na Copa de 2002, mas, dessa vez, fiquei boquiaberto com a possibilidade de implantar o saudoso 4-2-4 do Palmeiras da década de 70 no elenco atual.

A eterna Segunda Academia, formada por Oswaldo Brandão, pra quem não se lembra, foi bi-campeão brasileira - um dos títulos de forma invicta -, e encantou o Brasil por defender muito bem e atacar com velocidade. A formação base, presente na lembrança de todo palestrino, era: Leão; Eurico, Luís Pereira, Alfredo e Zeca; Dudu e Ademir da Guia; Edu (Fedato), Leivinha, César e Nei.


Guardadas as devidas proporções de qualidade e honra das lendas palestrinas em comparação com os jogadores atuais, vejo possibilidade do Luxemburgo orquestrar um esquema parecido - até pq Oswaldo Brandão foi taxado de retranqueiro à época, por manter a linha de quatro jogadores na defesa, e o Palmeiras precisa, definitivamente, de uma defesa bem postada.

Luxemburgo, por sua vez, resolveria o problema com uma zaga formada por Wendell, Edmilson, Danilo e Armero. Importante salientar que Pablo Armero teria a marcação como maior responsabilidade, justamente por esse motivo prefiro o Wendell ao Sandro Silva ou Capixaba. Edmílson seria Luis Pereira, com suas saídas esporádicas ao ataque.

No meio-campo, Pierre seria Dudu, o marcador implacável. Cleiton Xavier deveria ser Ademir da Guia. Sempre acho ridículo tentar comparar alguém ao Divino, mas Cleiton Xavier é quem mais se assemelha, no atual elenco, ao maior jogador da história do Palmeiras.

Minha única dúvida está em quem seria Leivinha, que voltava para marcar com a mesma maestria e velocidade que atacava. Com essas características, temos Diego Souza, mas poderia ser Willians caso o Diego se negue à marcar. Em Leivinha creio que estava o segredo do Palmeiras de Oswaldo Brandão. O temido 4-2-4 se fazia de 4-3-3 ao menor aceno do treinador. Para dar certo, depende muito do Diego Souza lembrar que ganhou destaque no começo da carreira por ser um volante habilidoso. Nas pontas, Edu seria Willians (ou Diego Souza), Nei seria Lenny e, no centro do ataque, César Maluco, claro, seria K9.

Taí o meu Palmeiras 2009 ideal, o time que pode destruir o Sport, em Recife e em São Paulo: Marcos; Wendell, Edmílson, Danilo e Armero; Pierre e Cleiton Xavier; Diego Souza, Willians, Lenny e K9.

Imagino a comoção que o Luxa causaria ao afirmar que essa formação segue o exemplo da Segunda Academia. Imagino a motivação que levaria ao time, à torcida e até à imprensa. Porém... será que o Luxemburgo convence o Armero que marcar é mais importante que atacar? Luxa seria capaz de mudar o posicionamento do Diego Souza?

Infelizmente, não creio...

Let's Rock! >>> Tom Waits - Green Grass

2 comentários:

juju disse...

não acredito que li esse post inteiro.. aff

:P

Marcelo Urânia disse...

detalhe que o segunda academia se parece muito com aquele manchester united de 99. com giggs e beckham como pontas e laterais-zagueiros que defendem mais do q atacam.