terça-feira, 24 de março de 2009

Chácara do Jockey, São Paulo, Brazil.

A verdade é que o show do Radiohead foi PHODA demais. Depois de quinze anos, sete álbuns e milhares de boatos, a expectativa era altíssima. E foi atendida. Muito bem. E acredito piamente que daqui dez anos, os 30 mil que formaram aquele mar de gente vão se transformar em 200 mil, tamanho número de pessoas que vão jurar ter estado lá.

E um paradoxo gostoso era todo mundo se perguntar o porquê de tanta espera por um show do Radiohead no Brasil e, após a apresentação, constatar que melhor momento não poderia haver. Thom, John, Colin, Ed e Phil formam uma banda no ápice de sua maturidade, dominando seus instrumentos sem virtuosismo, fazendo reverência à própria história sem saudosismo caricato e executando as músicas com a energia exata. E não tô exagerando.

A exuberância do palco resplandecia nos olhos arregalados da platéia. E a complexidade dos tubos luminosos suspensos pelo teto - num lance meio estalactite - e a edição ao vivo dos telões com closes de câmeras fixas em cada integrante, fez o palco mais bonito que eu já vi na vida. Total sinergia entre som, luz e vídeo. E não tô exagerando, contemplação absurda.


Em Paranoid Android, uma catarse. Urros incontroláveis ao final da música fizeram com que Thom Yorke retomasse os acordes e a acompanhasse o público. Em outros momentos do show, Thom canta e as 30 mil pessoas ficam absolutamente quietas, numa introspecção de assustar. Vou repetir: TRINTA MIL roqueiros fantasticamente em silêncio. Vi dois ou três marmanjos chorando quietos, sem viadagem, emoção sincera e espontânea. E não tô exagerando, transe coletivo total.

All I Need, Karma Police, Climbing Up The Walls. Weird Fishes/Arpeggi, Jigsaw Falling Into Place, Idioteque e Optimistic. Paranooooooid Android. Fake Plastic Trees, quase chorei. Lucky e Everything In Its Right Place. Em Creep, fique rouco e quase chorei de novo.

Apenas alguns exemplos do setlist com 26 canções, executadas em quase 2h30min de show. Ainda assim, senti falta de No Surprises, Just e High & Dry, confesso - só pra não ficar sem reclamar. Mas, tudo bem, tô feliz. A viagem longa e cansativa, os terríveis problemas da organização... tudo recompensado por um puta show. HIS-TÓ-RI-CO, véio!

Thom, Johnny, Ed, Colin e Phil... Obrigado, Radiohead!

(Updeite-se: já tá rolando um "DVD" do show do Radiohead em SP. Só baixar o torrent aqui.)

Let's Rock! >>> Radiohead - Weird Fishes/Arpeggi

sexta-feira, 20 de março de 2009

Radiohead no Brasil


Como bem disse Abonico Smith, os aguardadíssimos shows do Radiohead no Brasil - hoje no Rio de Janeiro e domingo em São Paulo (este último com presença deste escriba) - são duas raras oportunidades de ver e ouvir músicas importantes e emblemáticas para o rock contemporâneo.

Nada contra shows recentes no Brasil com clássicões como "Satisfaction" (Rolling Stones), "Losing My Religion" (R.E.M.) ou "Like a Rolling Stone" (Bob Dylan) - eu, inclusive, queria muito tê-los visto ao vivo -, mas essas músicas foram importantes e emblemáticas há 20, 30, 40... 50 anos!

E é difícil (pra caraleo) ver e ouvir clássicos recentes no Brasil, portanto sinto-me na obrigação - até por ter perdido os shows supracitados - de ver ao vivo "Paranoid Android", "No Surprises", "Creep", "Idioteque"...

E um belo aperitivo para os shows de Thom Yorke e asseclas é a contagem regressiva que o Marcelo Costa preparou no Scream & Yell para esmiuçar os setes discos da banda inglesa:

Pablo Honey: obra-prima do Radiohead, de 1993, por Eduardo Palandi.
The Bends: o melhor do Radiohead, de 1995, por Renata Honorato.
Ok Computer: um disco fundamental, de 1997, por Tiagão Agostini.
Kid A: o Radiohead no topo do mundo, de 2000, por Luís Henrque Pellanda.
Amnesiac: a vanguarda do rock, de 2001, por Marco Tomazzoni.
Hail To The Thief: a volta das guitarras, de 2003, por Marcelo Costa.
In Rainbows: o álbum da década, de 2007, por Alexandre Matias.

Obs: o canal pago Multishow transmitirá o show do Radiohead em São Paulo, ao vivo, no domingo por volta das 22h.

Let's Rock! Radiohead - Just (The Bends) / Radiohead - Lucky (Ok Computer)

quinta-feira, 12 de março de 2009

Repúdio ao Shoptime

Há um mês e dez dias comprei um presente de casamento no www.shoptime.com.br. Não haveria tempo hábil para entrega antes da festa, então telefonei pro Shoptime e solicitei mudança de endereço, pro presente ir direito aos noivos.

Algumas semanas depois, necas do presente chegar. Então enfrentei de novo os 50 minutos ao telefone para descobrir que a política de segurança da empresa não permite alteração de endereço de entrega após o fechamento do pedido.

Um tanto puto, mandei entregarem com urgência no endereço que consta no pedido e disseram que o Shoptime entraria em contato comigo pra agendar a entrega. Não me telefonaram e muito menos entregaram o presente. Bem puto, liguei novamente na semana seguinte. Pediram desculpas e disseram que dessa vez telefonariam para agendar a entrega. Nada feito até então.

Eu apenas não telefono mais. Já fiz reclamação no confiômetro.com.br e amanhã estará protocolada uma ação contra o Shoptime.

Shoptime nunca mais, garrei nojo.

Let's Rock! >>> Sex Pistols - Problems / Paul McCartney - This Never Happened Before / Wilco - Hate It Here

quarta-feira, 11 de março de 2009

Adeus, 507.

Detalhes de uma vida, histórias que eu contei aqui... - mas um lugar maior (e, principalmente, mais barato) se fazia necessário.


Let's Rock! >>> Bowie - Changes / Robertão - Emoções / National - Apartment Story / Tom Petty - The Apartment Song