segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

CSI Curitiba

O almoço foi deveras agradável e a garoa fina e fria pedia um café sem açucar, mas a vizinhança estava agitada. Na calçada, o caminhoneiro, a velha chata e uma senhora de guarda-chuvas estavam de olhos esbugalhados, observando atentamente um dos sobrados em frente à empresa. Aos gritos, anunciavam o perigo.

- Um cara entrou nessa casa! Arrombou o portão, subiu no muro, pulou pra sacada, estourou o vidro e entrou.

Entre perguntas e piadas, soubemos que a polícia estava a caminho. Alguns vizinhos deram a volta na rua para cercar o assaltante, outro segurava um taco de baseball. Em menos de cinco minutos, a Polícia chega castigando os pneus. Quase os convidei pro Go Kart. O caminhoneiro diz à PM, esbanjando intimidade com a Tribuna do Paraná:

- O indivíduo está lá dentro!

De arma em punho, policiais correm para trás da casa. Eu corro atrás do poste, rindo. Outros tentam entrar pela frente. Mais duas viaturas também chegam. E o meliante tenta fugir pelo lado, pulando os muros da redondeza. Alguém vê e avisa. A polícia corre. Nós também.

Os policiais observam por todos os lados, mas o rapaz desapareceu. Não fugiu pro riacho, nem para a escola, nem pro vizinho seguinte. Sumiu. No terreno onde estão dois policiais, há duas casas de madeira, com aquele espaço entre o tablado e o chão. Um policial se abaixa. E o indivíduo estava lá, escondido e quieto.

- Saia daí, filho duma puta! Saia logo e pare com essa merda!

Ouve-se um disparo. Todo mundo assusta, até o meliante, que é retirado da parte debaixo da casa, leva uns cinco chutes nas costas e na cabeça e outros quatro ponta-pés antes de ser algemado.

Os vizinhos relacionam todos os crimes na região ocorridos nos últimos dez anos ao polaco manco que era jogado no porta-malas da viatura. O rapaz ostentava um cachimbinho de crack pendurado no pescoço, um olhar chapadão, um relógio Chopard (!) com a pulseira detonada e o PS2 que acabou de roubar.

Sempre bom um pouco de emoção, mas eu ainda quero meu café.

3 comentários:

rkjazz disse...

hahahahaha, muito bom isso!

Túlio disse...

acho foda o vocabulário dos puliça.

meliante, elemendo e fora a variedade de números que podem significar desde estupro a assalto a mao armada

juju disse...

nessa hora eu estaria dentro do banheiro da empresa, deitada no chão pra não levar bala perdida.. é coragem não é o meu forte... além do meu ódio quase mortal por policiais toscos.. ou seja, todos.