quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Do dia que eu ganhei uma corrida

Era sábado e perto das 14h chegamos ao kartódromo. A pista estava bem molhada após horas de garoa e a temperatura não passava de 15ºC. Uns 20 minutos antes da largada, todo mundo pagou e vestiu as roupas pra chuva enquanto traziam os karts pros boxes. Aí, foi só acelerar. Segue abaixo meu depoimento à imprensa, logo após a corrida:



na classificação, eu tava com a nítida impressão que tava indo mal. a pista tava muito molhada. eu não conseguia dominar o kart no traçado de pista seca e, usando a pista por fora, me achava muito lento. e meu pé esquerdo não firmava pq o chassi tava molhado e ficava escorregando.


tava dando a alma, no limite, mas o pessoal que saiu pra fazer tempo na minha frente parecia que tinha se distanciado ainda mais. achei q tava uma bosta. na chamada pra formar o grid [invertido. o mais rápido larga em último], fui ficando, ficando, ficando... e aí abri um sorrisão.


a largada foi massa. o fernando e o wartin tentaram se fechar e aí fecharam o diogo. passei os três pq a pista ficou livre do meu lado. sorte pura. busquei tangência com calma pra ficar na frente deles. aí alguém rodou EXATAMENTE na minha frente e eu não bati forte por milímetros. tranquei o bóga de medo. mas passei ileso.


olhei pra trás e tinha formado uma muvuca. gente desviando devagarinho e coisa e tal. nessa hora, antes da segunda curva, sobraram uns cinco ou seis na minha frente. dois ou três rodaram no miolo e eu passei, com cuidado pra não rodar. na reta oposta eu era o terceiro e o segundo rodou na entrada do cotovelo. não consegui passar pq tava meio longe, mas saímos junto do cotovelo e eu tracionando melhor. passei o cara na freada do final da reta. aí fui buscar o outro cara q tava em primeiro q, senão me engano, rodou na segunda curva.


aí foi só rezar pra me manter sem rodar, pq o kart tava bom e eu tava guiando firme. ergui os braços várias vezes durante a corrida pra comemorar - se eu perdesse, ao menos já tinha comemorado. fui rodar na penúltima volta, quando ultrapassei o ricardo por fora na primeira curva. acho q empolguei demais e duas curvas depois, no miolo, rodei. morri de medo achando que alguém poderia me passar.


aí percebi q ninguém tava tão perto e segui tranqüilo. vi a bandeira branca e já comecei a pirar. ouvi a frase “traga a criança pra casa”. lembrei do senna. lembrei do senna mesmo, é sério. fiquei urrando no kart. e com os braços erguidos, fazendo sinal de metal. quando cruzei a linha de chegada, uma voz disse em alto e bom som “bem-vindo ao mundo das vitórias”.



Maiores informações: www.gokartcuritiba.blogspot.com


Let’s Rock! >>> R.E.M. - Accelerate

5 comentários:

André Ramiro disse...

que massa bicho! hahaha. ergui os braços várias vezes durante a corrida pra comemorar - se eu perdesse, ao menos já tinha comemorado....essa foi linda! hahahaha
abs cabeça!

Marcelo Urânia disse...

hahaha cara, acho q posso contar essa histórias zilhões de vezes nos mínimos detalhes! hahaha

Michel Fonseca Ferreira disse...

q emocionante!!aaaa

giancarlo rufatto disse...

"amigo, é teste pra cardiaco..."

Meliza disse...

"se eu perdesse, ao menos já tinha comemorado"

Essa é a melhor parte...