quinta-feira, 26 de junho de 2008

Sofisticação

Tão feliz. Após anos e anos sonhando com uma música decente no celular, eu tenho, desde ontem à noite, aquela introduçãozinha fabulosa de Transmission, do Joy Division, como toque do meu celularzin tosco.

Agora só falta alguém me ligar!

Let's Rock! Jeff Tweedy - Hello, Are You There?

terça-feira, 24 de junho de 2008

Oh my God, whatever, etc...

A força para não demonstrar fraqueza é diretamente proporcional ao medo de causar dor em quem se preocupa conosco. Interessante isso. O tal porto seguro de cada um, ao invés de sustentar-se no próprio bem-estar, na maioria das vezes, mantém-se na felicidade das pessoas queridas.

Adoro meus banhos repletos de calor e filosofia de boteco até nos dias em que o 507 está frio, ermo e desgostoso.


Let’s Rock! >>> Cartola - Quem Me Vê Sorrindo / Miguel Roberto - Mãe Passarinha

quinta-feira, 19 de junho de 2008

My Blueberry Nights

Apesar da tradução do nome para o português ser terrível - Um Beijo Roubado -, o diretor chinês Wong Kar-Wai transforma o clichêzão máximo do cinema num belo filme: moça mal-amada (Norah Jones) encontra um possível novo amor (Jude Law), mas precisa amar a si mesmo antes de qualquer coisa. Nas andanças para se encontrar, depara-se com tipos ainda mais tristes e desamparados (Rachel Weisz, David Strathairn, Natalie Portman), servindo de lição para que ela encontre a força interior que tanto precisa para esquecer o último desamor.

Mas se é um clichêzão, porque My Blueberry Nights é tão bom? Metáforas, meus amigos! Metáforas! O diretor mostra tudo o quê se passa no broken heart de Norah Jones, expondo divergências e desagrados das histórias secundárias. E sem explicá-las à exaustão. Tá tudo no olhar singelo da protagonista. E há, ainda, as enigmáticas tortas de blueberry (mirtilo, em português) - doces, mas com uma certa acidez no canto da boca.

E ainda nem falei da trilha sonora impecável, das cores refletidas nas vidraças, do cabelo 'me-aperta-me-cheira-me-chama-de-monbijou' da Rachel Weisz, da voz sensualíssima da musa Chan Marshall...










Let's Rock! >>> Ry Cooder - Busride

terça-feira, 17 de junho de 2008

Abaixo de zero é foda.

Deus precisa parar de assistir à Eurocopa e vir aqui dar um jeito nesse clima da porra. Hoje foi a noite mais fria dos últimos quatro anos em Curitiba. Fez -0,3ºC! Não há cappuccino que sustente o calor da mão nesse mouse gelado.

E eu não entendo por qual motivo faz -0,3ºC e não faz logo uns -10ºC. Já que estou com todas as roupas do armário, pelo menos daria pra brincar de boneco de neve e lutar pela obrigatoriedade de calefação.

A matéria da Globo mostra bem como estavam os parques da cidade hoje pela manhã. Tomá no cu!




Let’s Rock! >>> Paul Weller - Cold Moments / Travis - Colder

terça-feira, 10 de junho de 2008

Management

Ando meio sem tempo pra tudo que quero fazer. Não faço natação, não vejo todos os filmes nem ouço todas as músicas, não vicio no GP4 e não durmo o suficiente. Livros, só os de contos, pra ler na patente. Não dá pra telefonar todos os dias pros meus pais. Namorar é três vezes na semana, se der.

Saio da empresa às 19h e, às vezes, seria bom ficar um pouco mais. No trânsito, sempre acelerando. Meu banho e meu jantar são cada vez mais rápidos. De vez em quando chego atrasado às aulas de Inglês. Nas quintas, a única oportunidade de lavar a louça acumulada durante a semana pode ser trocada pela única oportunidade de ir ao cinema por r$2,50. E, nesse frio, queria tempo pro corpo se recuperar das cervejas e aceitar um leitinho quente às sete da matina.

Precisaria de umas 36 horas por dia, no mínimo, pra satisfazer minhas necessidades de trabalho, entretenimento, educação e descanso. Essa neura em aproveitar o tempo remete aos livros de Administração... sabia que um dia eu precisaria sacar de eficiência, efetividade, eficácia, organização, sistemas e métodos!


Let’s Rock! >>> Tom Bloch - Imitação Da Vida

terça-feira, 3 de junho de 2008

GO KART!: o segundo dia.

No último final de semana, me senti um piloto de verdade. Um Emerson Fittipaldi. Um Jim Clark. Um Senna uraniense. Parecia que eu estava dentro do GP4.

Pra quem não sabe, eu e alguns amigos organizamos um Campeonato de Kart com regulamento, pontuação e nome pomposo: o Go Kart!. Coisa linda. E às 18h30 do sábado, estávamos todos na Raceland para o segundo dia de competição, quase dois meses depois do primeiro.

Um pega animalesco, com direito a pista úmida que vai secando até começar a chover novamente e bico de kart quebrado numa pancada. Tudo isso à noite num frio de 10ºC! E numa velocidade de final de reta próxima dos 85 km/h.


Confira um texto detalhado sobre a corrida no blog oficial do campeonato, com fotos, gracinhas, planilhas com as melhores voltas de cada piloto e a classificação geral: www.gokartcuritiba.blogspot.com


Se tivesse grana, correria todo dia.


Let’s Rock! >>> The Shaggs - That Little Sports Car