terça-feira, 18 de março de 2008

Sorrisos e F1




Os Fórmula 1 escorregando em derrapagens controladas na entrada e na saída das curvas; pilotos mostrando que, afinal, são humanos e abusando dos erros; carros quebrando em profusão, devido aos efeitos da física e do calor excessivo. Parece que estamos falando de uma corrida perdida no tempo, nos anos 60 ou 70. Porém, tudo isso aconteceu na abertura da temporada 2008, em Melbourne, na Austrália.

O fim das ajudas eletrônicas, um velho anseio dos fãs da categoria, deu uma nova cara ao espetáculo. Os pilotos, agora, voltaram a se nivelar pelo alto. Não basta apenas ter o melhor carro. É preciso cabeça, constância, almejar a perfeição a cada instante, já que não há mais um programa de computador para corrigir seus erros. Agora, dentro da pista, o sistema é bruto e a pegada é forte.

Foi o que oito pilotos aprenderam em Melbourne, abandonando a prova após colisões causadas por erros e/ou ímpetos exagerados de outros ou de si próprios. O equipamento também pagou o preço de não haver mais freio a motor, deixando uma série de propulsores exauridos pelo caminho. Sobraram seis sobreviventes – e a melhor constatação do domingo veio do melhor deles, o vencedor do GP da Austrália, Lewis Hamilton: Isto aqui é corrida de verdade. É assim que tem de ser!

Resta saber se tanta emoção e alternativas não foram aumentadas decisivamente pelas características peculiares da pista de Albert Park, dona de um histórico razoavelmente grande de corridas caóticas. Se este quadro se repetir no próximo fim de semana na Malásia, a Fórmula 1 poderá finalmente comemorar sua maior vitória: a reconquista do público.

(texto de Luiz Fernando Ramos adaptado para este espaço)


E aí, quando apareceu o nome Piquet na telinha, bateu um saudosismo?

Let´s Rock! Echo & The Bunnymen - Get In The Car

2 comentários:

Michel disse...

"o sistema é bruto e a pegada é forte"


a pegada é firme, e não forte!!
auuahuhahauha
o certo é:
"o sistema é bruto, e a pegada é firme"

Marcelo Urânia disse...

hahahahaha dá na mesma, pô. haha