sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

3º Grand Prix Tinidos de Kart

(atualizado em 26.02.2008)

O 3º GP Tinidos de Kart aconteceu neste domingo, por volta das 18h, no Kartódromo de São José dos Pinhais (kartodromosjp.com.br).Trinta pilotos divididos em duas baterias de 18 voltas numa pista de 720 metros para definirmos os finalistas.


BATERIA FITTIPALDI: 17h40 às 18h05 (18 voltas)
por sorteio, 15 pessoas na pista. 3 voltas de classificação. o dono do melhor tempo, larga na frente. em seguida, 15 voltas de PURA velocidade. os cinco primeiros na 3º bateria e grande final.

resultado:
1. Fernando Souza (18:42.978 - 19 voltas) volta mais rápida: 45.726
2. Waltinho Petla (à 9.300) volta mais rápida: 45.273
3. Bruno Castilho (à 27.843) volta mais rápida: 46.383
4. Daniel Weimer (à 34.060) volta mais rápida: 46.989
5. Cris Castilho (à 39.535) volta mais rápida: 46.742
6. Guto Dias (à 58.114) volta mais rápida: 48.470
7. Jr Weimer (à 18 voltas) volta mais rápida: 47.973
8. Manoel Noise (à 24.932) volta mais rápida: 48.420
9. Silvia Maoski (à 26.611) volta mais rápida: 49.784
10. Leandro Superchinski (à 31.275) volta mais rápida: 47.797
11. Evelis (17 voltas) volta mais rápida: 52.465
12. Gustavo Led (16 voltas) volta mais rápida: 53.062
13. Virginia Pigari (à 39.088) volta mais rápida: 58.919
14. Vívian Pigari (9 voltas) volta mais rápida: 1:07.990
15. Vitória Pigari (0 volta) bateu e quebrou o kart! haha

BATERIA PIQUET: 18h15 às 18h40 (18 voltas)
as outras
15 pessoas na pista. 3 voltas de classificação. o dono do melhor tempo, larga na frente. em seguida, 15 voltas de PURA velocidade. os cinco primeiros na 3º bateria e grande final.

resultado:
1. Will Petla (20:21.742 - 19 voltas) volta mais rápida: 45.933
2. Marcelo Urânia (à 10.205) volta mais rápida: 45.789
3. Bruno Barros (à 25.365) volta mais rápida: 46.343
4. Jefferson Zimmermann (à 29.432) volta mais rápida: 48.122
5. Stephanie Fonseca (à 29.463) volta mais rápida: 48.250
6. Garapa Perin (à 29.702) volta mais rápida: 47.321
7. Eduardo Kunrath (à 45.460) volta mais rápida: 47.115
8. Eduardo Grelha (à 58.020) volta mais rápida: 46.916
9. Ariel de Lara (18 voltas) volta mais rápida: 48.098
10. Richard (à 1.563) volta mais rápida: 49.129
11. Chiu (à 16.298) volta mais rápida: 48.788
12. André Gustavo (17 voltas) volta mais rápida: 49.979
13. Yasmine Fonseca (à 16.194) volta mais rápida: 50.123
14. Flavio (à 20.869) volta mais rápida: 48.244

BATERIA BARRICHELLO: 18h45 às 19h15

tempo para descanso, piadinhas e definição de estratégia para a grande final.

BATERIA SENNA: 19h20 às 19h55 (15 voltas)
os 5 primeiros de cada bateria! para a largada, contou a volta mais rápida de cada um. quem fez a volta mais rápida durante as baterias iniciais, largou na frente. sem nova classificação. 15 voltas direto para decidir o campeão!


resultado final:

1. Walter Petla (11:52.624 - 15 voltas) volta mais rápida: 45.052 (campeão!)
2. Fernando Souza (à 7.437) volta mais rápida: 45.217
3. Will Petla (à 18.157) volta mais rápida: 45.791
4. Bruno Castilho (à 26.303) volta mais rápida: 46.724
5. Cris Castilho (à 40.529) volta mais rápida: 46.776
6. Jefferson Zimmerman (à 41.248) volta mais rápida: 46.309
7. Guto Dias (à 47.523) volta mais rápida: 47.452
8. Marcelo Urânia (à 50.259) volta mais rápida: 45.683
9. Daniel Weimer (à 50.331) volta mais rápida: 47.151
10. Bruno Barros (14 voltas) volta mais rápida: 47.825

as voltas rápidas de cada piloto...

pura velocidade!


1. Walter Petla 45.052
2. Fernando Souza 45.217
3. Marcelo Urânia 45.683
4. Will Petla 45.791
5. Jefferson Zimmerman 46.309
6. Bruno Barros 46.343
7. Bruno Castilho 46.383
8. Cris Castilho 46.742
9. Eduardo Grelha 46.916
10. Daniel Weimer 46.989


Let´s Rock! >>> Willy Mason - The End Of The Race

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

1001 Discos!

Acabou de chegar minha última aquisição. Na hora da compra, imaginei que teria 1001 dias para ler, um disco por dia. Porém, sentei no trono e já li uns oito. Agora só faltam 993!

A bíblia tem 960 páginas, muitas belas imagens e pesa uns 2Kg. Os discos são dispostos em ordem cronológica. Um clássico atrás do outro! Lindjo! Dá vontade de correr pro Emule a cada folheada.

O Sid Vicious na capa evidencia que o livro possui veia rock, mas não dá pra passar incólume aos ícones da música mundial. De 1955 até 2007, cabe as diferenças de Miles Davis, Dusty Springfield, Stooges, Phil Spector, Kraftwerk, Bob Marley, Iron Maiden, Tom Waits, Public Enemy, Radiohead e até mpb! Vários artistas brasileiros são citados: Tom Jobim, Caetano, Mutantes, Jorge Ben, Elis e Sepultura, entre outros.

Cada álbum citado é contextualizado historicamente e os comentários sobre as músicas são acompanhados de curiosidades sobre as gravações, os bastidores ou a vida dos artistas. E
u diria que é apenas obrigatório para o amante da música.

Let´s Rock! >>> R.E.M - Orange Crush (Green, 1988 - está no livro, claro.)

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Um maluco no meu prédio...

Era muito cedo, por volta das 7h00. Sexta-feira, dia da cerveja. Ouço uma freada brusca bem perto do meu prédio enquanto esmago o achocolatado no canto da caneca cheia de leite. Nem ligo, pra mim, apenas mais um barulho de cidade grande.


Um tempo depois, ouço um puta estrondo. Assusto, mas tomo o leite numa boa. De repente, ouço gritos de mulher: “Socorro! Tem um maluco no meu prédio! Chamem a polícia! Socorro!” Aí o bicho pegou. Corri até a janela e fiquei de frente com o mundo.


Todas, eu disse todas as janelas e sacadas que eu conseguia ver estavam atentas à entrada do meu prédio. Olhei pra baixo. Mais barulho de pancada. Mais gritos. Ouço barulho de vidros se quebrando, vejo cacos estilhaçados pela calçada. Mais gritos alucinados de mulher.


Depois de um tempão ali na janela vendo a reação das pessoas e na expectativa de tiros, lembro de usar o telefone. Ligar pra polícia, oras! E quando consigo, já tinham avisado. Volto pra janela. Está tudo quieto demais. Quase 8h, fatalmente chegarei atrasado no trabalho, aviso o pessoal da empresa e não saio do quarto nem fodendo. Eu e todo o quarteirão aguardamos a polícia.


Depois de quase trinta minutos, os PM's chegam e conversam com um senhor careca. Ouço a seguinte frase: "O maluco tá aí dentro". Dou risada e verifico se a porta está trancada. Volto pra janela. Impressionante a quantidade de pessoas nas janelas e sacadas. Pijamas de todos os tipos, remelas em profusão. Um cara, dois andares abaixo, até acende um cigarro enquanto toma café e aguarda a resolução do caso.


Alguns minutos depois, os policiais saem do prédio com o meliante algemado. A ordem é restabelecida. Vou até a garagem e peço pro goleiro do Coxa tirar o carro dele pra eu poder sair com o meu. Hora de trabalhar.


Descubro depois que o ex-sargento era morador do prédio e biruta mesmo. Além de quebrar a porta de entrada na base do bicudo, o maluco-doidão quis quebrar a porta do apartamento do síndico. O motivo? Lanternas e raios laser invadiam o quarto dele toda noite. E os raios perfuravam suas orelhas, deixando marcas no corpo.


Total lelé da cuca.


Let´s Rock! >>> Cat Power - Crazy (Gnarls Barkley Cover)

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

La Blogotheque: Take Away Shows!

Descobrimos uma preciosidade - eu e Jubs, um pouquinho cada - perambulando pelos vídeos do Youtube. O negócio é o seguinte: existe um diretor francês, de certo renome no meio - tá até trabalhando nos registros de bastidores do disco novo do R.E.M. -, chamado Vincent Moon, que marca encontro com bandas em lugares inusitados para mini-shows. Tipo duas músicas, ou três. Num clima descontraído, descompromissado. Uma mistura de vídeo-clip com reality show. E tudo num take só, sem cortes. O quê deflagra uma relação muito próxima entre diretor e músicos. Além dos lugares bizarros, chama a atenção o deslocamento e a captação do som. O nome do projeto é Les Concerts à Emporter! de La Blogothèque ou The Take-Away Shows from La Blogothèque, como preferir. O resultado é FABULOSO.

A inventividade e a capacidade de filmagem de Vincent Moon são inquestionáveis. Porém, o projeto não seria interessante sem bandas de qualidade. Fuçando na página do projeto, há vídeos de Sufjan Stevens tocando num telhado em Nova York, o Arcade Fire tocando num elevador, o Beirut nas ruas de Paris, o I´m From Barcelona num boteco. Além desses, há vídeos com Jens Lekman, Architecture In Helsinki, The National, Cold War Kids, Guillemots, The Kooks, Mojave 3, Of Montreal, Damon And Naomi, The Shins, Au Revoir Simone… só pra citar alguns. Há mais de 82 artistas registrados em mais de um ano de projeto.


Dá pra conferir tudo na página oficial do Take Away Shows, no Youtube e no Daily Motion. Imagino algo parecido com bandas brasileiras, seria bem interessante...


Let´s Rock! >>> I´m From Barcelona - We´re From Barcelona


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Palmeiras x Guarani

Era sábado, nove de fevereiro deste ano, Michel aproveitou a viagem da família até Itajobi, próximo de Catanduva, no interior paulista, e pegou carona até São José Rio Preto, onde encontraria Zé Lú, primo e mileide mais velho, para assistirem ao clássico de campeões brasileiros: Palmeiras x Guarani.

Aos 16 anos, o moleque estava em polvorosa. Empolgadíssimo. Só falava em El Mago Valdívia durante a semana. Até porque, depois de ciente da grandeza do Palmeiras, era o primeiro jogo in loco do meu irmão.

Depois de um primeiro tempo sofrido, onde a bola insistiu em não entrar, o Palmeiras desencantou e venceu por 3 x 1, com três gols de Alex Matador Mineiro. Segundo informações riopretenses, o Michel teve que tomar um pouco de água aos 15 minutos de jogo, de tão nervoso e entusiasmado com a presença da Sociedade Esportiva Palmeiras! haha


Michel alucinado, louco pra sair logo do boteco e conferir o Verdão!


Zelu e Michel ostentando o palestrismo diante do Teixeirão.


A alegria em forma de guri!


Só sei que eu queria ter ido junto! haha

Let´s Rock! >>> Marcos Kleine - Hino do Palmeiras

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Vontade de (tentar) escrever à la Bukowski

Era uma sexta-feira com o calor dos dias pós-carnaval. Ela me ligou convidando pra sair. Um novo encontro. Numa discotecagem, dessas que eu costumava fazer. Eu não sabia o quê responder. Não sabia o quê sentia, nem o quê queria, nem o quê ela queria. Na real, me parecia que ela estava afim do dj. Quase disse sim, mas declinei. Fiquei em casa ouvindo Smiths, nada de me prestar àquele jogo.

Ela ligou de novo. Banquei o difícil e resisti, disse que estava com preguiça, que era tarde, que queria ficar sozinho. Puro charme, eu queria ir e enfrentar. Correr e disputá-la - sempre fui muito competitivo. Fiquei em casa, balbuciando as agruras do Morrissey. Eis que recebi um sms, todo desafiador: você não é homem para vir até aqui.

Desliguei o som, coloquei a primeira roupa que achei, peguei o carro e sai. Reparei que estava indo pra decisão sem o melhor uniforme. F
oda-se, vencemos a copa de 58 vestidos de azul e essa minha camiseta verde surrada é total Enrique Iglesias. Me enchi de certezas. Liguei o player do carro, nunca deixo desligado. O Harvest Moon estava ali, esse velho sempre tem bons conselhos. Cheguei rápido, não era longe. Estacionei e entrei no bar. Ela levou um puta susto quando me viu, não esperava que eu aparecesse. Estava com uma saia curta, sentada no canto do bar, próxima da porta de entrada. Havia amigos e amigas na mesa. Apenas cumprimentei. Seco, curto. E ardiloso.

Fui pegar uma cerveja no bar. Cumprimentei uns amigos efusivamente. Quis me enganar que não estava ali por ela. Questão de auto-estima. Fiquei de papo ali no balcão. Duas cervejas, três, quatro. Notei que o dj estava em outra. Apaixonado, o rapaz era só lamúrias aos mais próximos. Ficou claro na minha cabeça. Se as ligações e o sms foram pra mim, não fazia sentido ela estar afim dele. Eu não tinha adversário. Cinco cervejas. Bebi rápido, pra ficar bêbado. Insegurança. Bebi de costas pra ela, queria bancar o durão, o desprendido. Armas do approach.

Pedi um gin and tonic e decidi que era hora de encará-la. Fiquei, ainda de costas, atento aos barulhos do bar. E virei, de repente. Ela me analisava. Cabeça, ombros, costas, quadril, pernas entre banco e balcão. Cuidava dos meus movimentos. Vi que era a hora do ataque. Fiquei de frente, de longe. Braços cruzados, conversando com outro bêbado e atento à ela. Os olhares se encontraram, se entrecortaram. Observei os pormenores: sensualíssima naquela saia rodada, o sapato de salto caiu como luva no visual. Linda. Ela percebeu. Notou que eu estava a admirá-la. Sabia que eu só estava ali por causa dela. Fez charme. Sorriu. Agradeceu com um gracejo. Não perdoei, parti pra cima. Eu estava afim. Pulsava. Queria ser Billy Ray em Son Of A Preacher Man. E fui sentar àquela mesa. Conversamos. Aquela voz fez o zunido das conversas alheias e do rock que saia dos auto-falantes um barulho de chuva sem trovoadas. O barulho do nosso passeio. Eu me tornava Billy Ray.

Let´s Rock! >>> Tom Waits - I Hope That I Don't Fall In Love With You
Well the music plays and you display your heart for me to see / I had a beer and now I hear you calling out for me / And I hope that I don't fall in love with you (...) Well the night does funny things inside a man / These old Tom-cat feelings you don't understand (...) And I hope that I don't fall in love with you (...)

Now it's closing time, the music's fading out /Last call for drinks, I'll have another stout. (...) /I search the place for your lost face, guess I'll have another round /And I think that I just fell in love with you.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Dylan Is Not There

Agora, meia-noite e trinta e quatro, acabo de assistir I´m Not There, o filme baseado na(s) vida(s) de Bob Dylan. E estou alucinado, sem um pingo de sono, em êxtase.

Marcus Carl Franklin (Woody Guthrie), Cate Blanchett (Jude Quinn), Ben Whishaw (Arthur Rimbaud), Christian Bale (Jack Rollins), Heath Ledger (Robbie Clark) e Richard Gere (Billy The Kid)...

...all are Bob Dylan!

Diante desse puta filmaço louco que retrata as diversas facetas de Robert Allen Zimmerman, cheguei a uma conclusão: não posso perder o show dessa lenda, desse mito. Não posso deixar de ver Bob Dylan ao vivo e a cores, bem na minha frente. Não posso!

Let´s Rock!!! >>> Stephen Malkmus and The Million Dollar Bashers - Ballad Of A Thin Man (I´m Not There Soundtrack)